Vladimir Putin coloca em alerta forças de dissuasão e EUA e NATO reagem

Putin reunido com Sergei Shoigu e o CEMGFA, Valery Gerasimov
Putin reunido com Sergei Shoigu e o CEMGFA, Valery Gerasimov Direitos de autor Alexei Nikolsky, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente Putin agrava tensão sobre a invasão na Ucrânia após a Rússia ser atingida por sanções ainda mais pesadas pela comunidade internacional

PUBLICIDADE

O Presidente da Rússia ordenou a colocação em alerta máximo das forças de dissuasão da federação, o que está a ser entendido como ter colocado em alerta as armas nucleares russas na invasão à Ucrânia.

A decisão surgiu depois de a comunidade internacional ter agravado as sanções sobre a Rússia numa altura em que está a ser negociado um encontro entre delegações russas e ucranianas na Bielorrússia, junto à fronteira.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano entende o alerta ordenado por Putin apenas como uma mera forma de pressão antes das negociações em vista, para as quais a Ucrânia conseguiu que a Rússia retirasse as exigências iniciais para um encontro.

Para conversar, Putin exigia ter antes o reconhecimento por parte do Governo de Kiev da anexação da Crimeia, a desmilitarização do leste do país e a rejeição da adesão à NATO.

Dmytro Kuleba entende que haver negociações sem condições prévias “é já uma vitória” e garante que a Ucrânia não vai ceder um centímetro de território à Rússia.

Os Estados Unidos acusam o líder russo de estar "a fabricar ameaças que não existem" para ativar este tipo de alerta.

"Este é um padrão repetido que temos visto do presidente Putin durante este conflito, que consiste em fabricar ameaças que não existem para justificar uma agressão contínua", afirmou Jen Psaki, a porta-voz da Casa Branca.

O secretário-geral da NATO entende o alerta russo como "uma retórica perigosa e um comportamento irresponsável" de Putin, que "acentua ainda mais a gravidade do situação no terreno".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Exige-se o fim da invasão da Ucrânia diante da embaixada da Rússia em Lisboa

Agência da ONU para os refugiados alerta para quatro milhões de deslocados na Ucrânia

Ucrânia receia grande avanço russo no próximo verão