This content is not available in your region

Invasão russa da Ucrânia cria temores na Bulgária

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Invasão russa da Ucrânia cria temores na Bulgária
Direitos de autor  SERGEI SUPINSKY/AFP or licensors

Os ucranianos que vivem na Bulgária estão preocupados com os seus familiares. Maxim Dimitrov vive, atualmente, em Sófia mas toda a sua família está na Ucrânia. Questionado sobre a invasão russa à Ucrânia defendia que a "loucura que está a acontecer, desencadeada por uma pessoa", referindo-se a VladimirPutin, "é horrível" e dizia acreditar que as pessoas têm "inteligência" para pensar com "sobriedade" e avaliar a situação e que "muitas delas estão a lutar pela sua terra porque não querem que ninguém as liberte de nada".

Uma cidadã ucraniana chegou a Varna, cidade búlgara, há alguns dias, à procura de um lugar mais seguro mas a família ficou em casa. Tatiana Arnautova explicava que o seu marido, a sua família e amigos permanecem na Ucrânia. O marido tem também lá a família e quis ficar para defender a "sua terra, o seu negócio, tudo", referia Tatiana.

Enquanto há rumores de que há pessoas a subornar funcionários de embaixadas na Bulgária, para acelerar os seus pedidos de visto, há quem esteja a organizar grupos de voluntários para partirem para a fronteira entre Ucrânia e Polónia, nas suas viaturas, para apoiarem quem está em fuga. Krasimir Pankovski, da Associação de Organizações Ucranianas na Bulgária, explicava que se organizaram para levar serviços de emergência porque "estão a deixar mulheres e crianças atravessar a fronteira a pé". O objetivo é "ajudá-las" e levá-las para a Bulgária. "A Ucrânia está a arder neste momento", dizia. "Não há ninguém a quem pedir ajuda, o mundo ocidental parece-me estar a reagir mal, a única maneira é organizarmo-nos e agir", rematava Pankovski.

Quanto a Tatiana, vai continuar longe dos seus entes queridos enquanto o seu país é invadido. Neste momento sente medo pela família, pelos seus amigos,"por todos os ucranianos, desabafava.

E Tatiana não é a única ucraniana no estrangeiro a temer pelo futuro. Maxim está em constante contacto com um amigo que foi mobilizado para as fileiras do exército.