Geórgia perde remessas da Rússia

Geórgia perde remessas da Rússia
Direitos de autor screenshot video
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Muitos georgianos dependem do apoio de familiares emigrantes

PUBLICIDADE

Milhares de cidadãos georgianos recebem assistência financeira dos familiares que trabalham na Rússia. Desde a a imposição das sanções ocidentais, tornou-se muito difícil receber o dinheiro.

Sofia Gvaramia tenta suportar as perdas. Todos os meses, os familiares que vivem em Moscovo enviavam dinheiro. "Era fácil transferir e levantar, o dinheiro era depositado na conta através de uma aplicação e eu levantava no multibanco", conta. Agora os familiares só podem enviar rublos. Sofia diz que não faz sentido, porque a taxa de câmbio é muito baixa e o dólar subiu muito na Rússia.

As remessas representam 13% do PIB da Geórgia. Em 2021, de acordo com o Banco Nacional, a Rússia estava em primeiro lugar nas transferências monetárias para o país, seguida pela Itália e pelos Estados Unidos. 

Os economistas na Geórgia alertam para os efeitos na economia. "A descida nas remessas pode colocar alguns problemas aos cidadãos particulares e os bancos podem também ser afetados, mas as instituições não enfrentam qualquer ameaça", considera Alexandre Dzneladze, presidente da Associação Bancária da Geórgia

Segundo o Banco Nacional da Geórgia, as transferências monetárias não vai acabar, mas serão reduzidas consideravelmente. Será um fardo adicional para a economia georgiana, atualmente em tensão por causa da guerra. O país não sancionou a Rússia por causa da grande dependência económica em relação a Moscovo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas abre a porta a Ucrânia, Geórgia e Moldávia

Moldávia e Geórgia pedem para entrar na UE

Como a ucraniana Valeriia, de 17 anos, escapou a um campo de reeducação russo