Presidentes da Polónia e países bálticos em Kiev, Steinmeier fica à porta

Presidentes da Polónia, Estónia, Letónia e Lituânia com Volodymyr Zelenskyy.
Presidentes da Polónia, Estónia, Letónia e Lituânia com Volodymyr Zelenskyy. Direitos de autor AFP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente alemão terá sido considerado "persona non grata" pelo governo ucraniano, devido à política de proximidade com a Rússia que desenvolveu enquanto foi chefe da diplomacia.

PUBLICIDADE

Os presidentes de quatro países às portas da Rússia, todos membros da União Europeia e da NATO - Estónia, Letónia, Lituânia e Polónia - fizeram uma visita a Kiev e ao presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, como prova de apoio contra a invasão russa.

A comitiva visitou a cidade mártir de Borodyanka, na periferia da capital ucraniana, guiada pelo peimeiro-ministro Denys Shmyhal. O presidente lituano mostrou-se chocado com o que viu:

"É difícil encontrar uma comparação na história com outros casos em que famílias inteiras foram mortas e enterradas no local, houve bebés violados e toda esta demonstração de bestialidade e ódio. Estas coisas não podem ter sido feitas por pessoas, mas por outras criaturas, por aberrações da natureza. Temos de acabar com esta terrível guerra", disse Gitanas Nauseda.

Estas coisas não podem ter sido feitas por pessoas, mas por outras criaturas, por aberrações da natureza.
Gitanas Nauseda
Presidente da Lituânia

O presidente alemão Frank-Walter Steinmeier quis juntar-se a esta comitiva, mas isso foi recusado por Zelenskyy. O jornal alemão Bild cita um diplomata ucraniano, para quem a recusa se deve a uma alegada proximidade entre o atual chefe de Estado alemão, que foi ministro dos Negócios Estrangeiros entre 2013 e 2017, e o regime russo. Steinmeier esteve na Polónia e pretendia seguir para a capital ucraniana e encontrar-se com Zelenskyy.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fronteira entre Polónia e Lituânia: populações preparam-se para o pior

Avanço da guerra na Ucrânia no terreno

31 000 soldados ucranianos mortos desde o início da invasão russa