EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

"Mariupol tornou-se um cemitério" - Presidente da Câmara desabafa à Euronews

"Mariupoln tornou-se um cemitério"
"Mariupoln tornou-se um cemitério" Direitos de autor AP/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor AP/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Teresa BizarroAnelise Borges
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vadym Boychenko falou com a enviada especial da Euronews à Ucrânia, Anelise Borges, e contou a desolação que vive a cidade-mártir ucraniana.

PUBLICIDADE

A destruição quase absoluta de Mariupol é uma das imagens mais fortes da guerra na Ucrânia. Uma cidade reduzida a escombros, milhares de mortos e milhares de pessoas forçadas a fugir.

A luta pelo controlo da cidade está suspensa. Entrevistado pela correspondente internacional da Euronews, Anelise Borges, o presidente da câmara de Mariupol diz que há outros desafios pela frente.

Diz Vadym Boychenko: "A cidade tornou-se um grande cemitério. De acordo com os nossos cálculos, foram mortas mais pessoas em Mariupol do que durante os dois anos de ocupação pelos nazis entre 1941 e 1943. Nessa altura, um pouco mais de 10.000 pessoas foram mortas. Agora, durante dois meses de bombardeamentos, mataram mais de 20 mil pessoas. É por isso que estamos a falar de uma situação epidemiológica muito difícil. Porque para além destes locais de sepultamento caóticos, temos também o calor do verão. O sistema de esgotos não funciona. A recolha de lixo também não funciona. Para além de tudo isso, temos chuvas fortes em Mariupol".

A cidade tornou-se um grande cemitério. De acordo com os nossos cálculos, foram mortas mais pessoas em Mariupol do que durante os dois anos de ocupação pelos nazis entre 1941 e 1943.
Vadym Boychenko
Presidente da Câmara de Mariupol

Mariupol está agora sob o controlo efetivo das autoridades instaladas por Moscovo. O Presidente da Câmara, agora deslocado para outra cidade da Ucrânia, alimenta a esperança de um regresso.

"Enquanto os cidadãos de Mariupol ainda estão vivos, a nossa Mariupol também vive. Vamos, com certeza, devolver Mariupol aos ucranianos. Acontecerá este ano e reconstruiremos uma Mariupol nova, moderna e heroica. Será a melhor cidade do mundo. Num mundo livre e democrático chamado Europa", conclui.

Vamos devolver Mariupol aos ucranianos.
Vadym Boychenko
Presidente da Câmara de Mariupol
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Putin disponível para exportar cereais

Rússia declara vitória em Mariupol

Documentário sobre Mariupol abala Festival de Cannes