EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Draghi demite-se e precipita Itália para novas eleições no outono

Draghi perde apoio dos principais partidos da coligação
Draghi perde apoio dos principais partidos da coligação Direitos de autor Gregorio Borgia/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Gregorio Borgia/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O primeiro-ministro perdeu o apoio da maioria para governar e foi ao encontro do Presidente Mattarella, a quem apresentou a decisão

PUBLICIDADE

O primeiro ministro Mario Draghi voltou a apresentar a demissão esta quinta-feira ao presidente de Itália e desta vez a renúncia foi mesmo aceite.

Sergio Matarella tinha pouco espaço desta vez para rejeitar a demissão depois de Draghi não ter conseguido manter a maioria do apoio no parlamento.

Na abertura da sessão desta quinta-feira na câmara dos deputados, o ainda chefe de Governo disse que, "à luz do voto expresso quarta-feira à noite no Senado" iria "suspender de imediato a sessão" para se dirigir ao Presidente da República e apresentar-lhe as suas "determinações", o que se depreende ser a demissão depois do que Draghi referiu quando exigiu no início desta semana um novo voto de confiança para continuar a liderar o governo.

"Obrigado por tudo", afirmou ainda Mario Draghi, dirigindo-se à assembleia e recebendo de volta aplausos.

A sessão parlamentar desta quinta-feira foi suspensa, à espera do resultado da conversa entre Draghi e Mattarella.

O Presidente podia tentar convencer Draghi a encontrar uma nova maioria, mas terá aceitado a demissão e com isso precipita a Itália para novas eleições, que deverão acontecer entre o final de setembro e o início de outubro.

Na quarta-feira, os partidos Forza Italia e a Liga, que pertencem à coligação de governo liderada por Mario Draghi, juntaram-se ao movimento populista 5-Estrelas e não votaram na moção de confiança ao primeiro-ministro no Senado.

Draghi acabou por vencer o voto de confiança, mas com o boicote destes três partidos perdeu o apoio parlamentar necessário para governar.

O primeiro-ministro declarou várias vezes que só ficaria à frente do executivo se mantivesse a maioria no parlamento e cumpriu.

Até ao sufrágio, Mario Draghi e o respetivo executivo mantêm-se em funções apenas para gerir os assuntos correntes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Draghi reúne apoios para ganhar confiança do Parlamento italiano

Itália vive nova crise política. Governo de Draghi divide partidos

Mil italianos assinam manifesto para que Draghi seja presidente da Comissão Europeia