Festival de Edimburgo e Fringe Festival celebram 75 anos

Aidan Sandler apresenta o espetávulo "Tropicana!"
Aidan Sandler apresenta o espetávulo "Tropicana!" Direitos de autor Andrew Milligan/AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pela primeira vez desde a pandemia de Covid-19, o público pôde regressar às salas. O Fringe, paralelo ao festival oficial, traz 3000 produções a Edimburgo.

PUBLICIDADE

Em Edimburgo, por estes dias, o teatro está em todo o lado: nas ruas, nas salas e por onde quer que passem as várias dezenas de milhares de pessoas que vão à capital da Escócia para assistir a dois dos mais importantes festivais de artes performativas do mundo.

O Festival Internacional de Edimburgo está de regresso, com espetáculos em salas pela primeira vez desde a pandemia, enquanto o festival paralelo, o Fringe Festival, traz à cidade mais de três mil produções de 58 países.

A atriz Trinity Silk diz que "foi preciso angariar muito dinheiro para levar o espetáculo até Edimburgo e isso é uma luta permanente. A cidade poderia fazer mais para apoiar os artistas". Já o ator Will Lambertdiz que o grande desafio "é criar alojamento, porque os espetáculos precisam de público, quando se monta uma produção que vende poucos bilhetes isso pode significar perder bastante dinheiro".

A cidade poderia fazer mais para apoiar os artistas.
Trinity Silk
Atriz
A presidente do Fringe Festival, Phoebe Waller-Bridge, e alguém com um disfarce peculiar.

Ambos os festivais celebram 75 anos, uma história ao longo da qual o evento paralelo conseguiu ultrapassar, em popularidade, o festival oficial. O Fringe Festival tem como presidente a conhecida atriz e autora da série "Fleabag", Phoebe Waller-Bridge, que promete tornar o evento ainda mais acessível e inclusivo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de mil tochas acesas na celebração Viking no Reino Unido

Vagas de calor ameaçam salmões escoceses

Artistas vão dançar pendurados na fachada de uma igreja de Londres