EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Guerra empurra ucranianos para a reconversão profissional

A guerra deitou por terra os planos de carreira profissional de muitas pessoas
A guerra deitou por terra os planos de carreira profissional de muitas pessoas Direitos de autor Alexei Alexandrov/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Alexei Alexandrov/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Muitas pessoas ficaram sem fontes de rendimento e tiveram de voltar-se para outras atividades para sobreviver

PUBLICIDADE

A guerra na Ucrânia virou do avesso a vida de milhares de pessoas. Denyz Zhupnyk foi um apresentador de rádio e televisão de renome. Agora, trabalha como taxista e condutor da Uber.

O mesmo destino teve o bailarino Oleksy Busko. Costumava atuar em Moscovo, mas agora o palco é outro: trabalha como pedreiro.

Os dois tentam sobreviver e sustentar as famílias como podem. Seis meses depois do início da guerra não escondem a tristeza.

"Sinto-me triste com o que aconteceu. Sinto-me muito triste em relação ao meu país, em geral, triste com o facto de algumas famílias estarem a ser destruídas, com o facto de se destruírem destinos, com o facto de carreiras que demoraram anos a construir estarem a desmoronar, das pessoas terem de abandonar as suas vidas para serem forçadas a fazer algo diferente", lamenta Denys Zhupny.

Nikita Priymenko também teve de se readaptar. Foi operador de câmara em produções importantes. Agora desenrasca-se como mecânico, a reparar motas.

Já o biólogo Yevgen Yelpitiforov encontrou a chave da sobrevivência na amizade. Trabalha como jardineiro e guarda as chaves de casa de amigos e conhecidos que saíram de Kiev.

"Se eu estivesse no lugar dessas pessoas, provavelmente não pensaria em pagar por esse favor, são todos meus amigos, todas as chaves que tenho são de pessoas que conheço, são os apartamentos dos meus amigos", lembra Yevgen.

Para muitas destas pessoas, o futuro continua a ser uma incógnita. Sonham em voltar aos trabalhos que faziam, mas enquanto a guerra durar os sonhos terão de esperar.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Stoltenberg pede a membros da NATO que reconsiderem limites no envio de armas para a Ucrânia

G7 vai explorar formas de utilizar os ativos russos congelados para ajudar Kiev

Ataque aéreo a Kharkiv faz pelo menos sete mortos. Zelenskyy condena brutalidade russa