ONU alerta para crise humanitária no Afeganistão

Crise humanitária no Afeganistão
Crise humanitária no Afeganistão Direitos de autor Ebrahim Noroozi/Copyright 2022 The Associated Press.
De  Nara Madeira com AFP, AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

ONU diz que seis milhões de afegãos correm o risco de passar fome e que três milhões de crianças estão em subnutrição muito grave.

PUBLICIDADE

Nações Unidas alertam comunidade internacional para a grave crise humanitária que se vive no Afeganistão. Uma informação relatada porMartin Griffiths, Sub-secretário-geral para os Assuntos Humanitários e Coordenador da Ajuda de Emergência da ONU, ao Conselho de Segurança do referido organismo, em Nova Iorque.

Griffiths explicava que desde que os talibãs regressaram ao poder, em agosto de 2021, a situação humanitária no país deteriorou-se. Os afegãos passam por "dificuldades e incertezas extremas". Quase 19 milhões têm níveis elevados de insegurança alimentar, seis milhões estão em risco de passar fome. Mais de metade da população está dependente de ajuda humanitária. A ONU estima que três milhões de crianças sofrem de subnutrição muito grave.

As catástrofes naturais, tais como terramotos e inundações em várias regiões do país, tornaram a vida ainda mais difícil. O desemprego e a pobreza extrema levaram dezenas de milhares de pessoas a deixar o país. 

De acordo com o Banco Central do Afeganistão o país recebe cerca de 40 milhões de euros da comunidade internacional, por semana.

Os observadores internacionais suspeitam que essas verbas estejam a ser utilizadas, sobretudo, nos seus apoiantes, Os afegãos criticam o governo de falta de transparência na sua distribuição, num país onde a pobreza aumenta e a população também.

Outras fontes • USUNTV

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Organizações não-governamentais regressam ao Afeganistão

Ataque contra hotel em Cabul

Pelo menos 21 mortos e a maioria do sexo feminino num atentado suicida em Cabul