Cidade francesa de Lyon reduz iluminação de monumentos para poupar energia

Cidade francesa de Lyon reduz iluminação de monumentos para poupar energia
Direitos de autor Capture d'écran d'une vidéo Euronews réalisée par Olivier Péguy
De  Olivier Peguyeuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A França, tal como toda a Europa, prepara-se para um possível corte total de fornecimento de gás russo.

PUBLICIDADE

A cidade de Lyon, em França, decidiu reduzir a iluminação dos monumentos. 

A França, tal como toda a Europa, prepara-se para um possível corte total de fornecimento de gás russo.

Cidade de Lyon quer ser exemplo de sobriedade energética

O município liderado pelos Verdes quer ser um exemplo em matéria de sobriedade energética.  Segundo a Câmara de Lyon, se nada for feito face à subida dos preços da energia, a fatura de eletricidade do munícipio pode subir 30% até 2023.

"A cidade já está a apagar todas as luzes em Lyon durante quatro dias por semana, nomeadamente, em pontes, igrejas e museus. Estamos a falar da iluminação que não é necessária para o tráfego de peões e veículos. As pessoas compreendem que, num contexto de crise, não podemos continuar esse tipo de iluminação, temos de nos concentrar nos serviços públicos essenciais”, disse à euronews Sylvain Godinot, vereador da Câmara de Lyon, responsável pela transição ecológica.

Governo francês pede às empresas redução de 10% do consumo de energia

Além da iluminação pública, a câmara de Lyon quer favorecer mudanças no setor privado. Muitas lojas mantêm as luzes das montras acesas toda a noite, embora o regulamento municipal estipule que devam ser desligadas entre a uma e as seis da manhã.

O governo francês pediu recentemente às empresas que reduzissem o seu consumo de energia em 10%. 

Em Lyon, alguns comerciantes decidiram agir de forma voluntária, para promover uma iluminação responsável e sustentável.

"Alterámos a iluminação, instalámos iluminação LED, que utiliza menos energia. E acima de tudo, ajustámos o tempo de utilização da iluminação, do nosso sinal luminoso e das divisões onde não precisamos de luz o tempo todo. Instalámos um sensor para que as luzes fiquem desligadas quando não são precisas. Parece-nos óbvio que não é preciso iluminar as montras quando não há ninguém. A iluminação pública é suficiente à noite para iluminar as montras", afirmou Nicolas Asbóth-Martire, gerente da loja Les Curieux, em Lyon.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Energia nuclear "não pode ser usada como arma de guerra", defende Macron

Macron anuncia apoio de três mil milhões de euros à Ucrânia durante visita de Zelenskyy a Paris

Tribunal da Relação condena Sarkozy a um ano de prisão, com seis meses de pena efetiva