This content is not available in your region

Sérvia resiste à pressão da União Europeia

Access to the comments Comentários
De  Luis Guita  & Euronews
Imagem de Putin
Imagem de Putin   -   Direitos de autor  Darko Vojinovic/Copyright 2022 The AP. All rights reserved   -  

A margem de Belgrado para desempenhar o papel tradicional de não alinhado entre a NATO e a Rússia parece ter chegado a um beco sem saída, enquanto o futuro do país dos Balcãs Ocidentais com a União Europeia (UE) poderá estar em jogo se não aderir às sanções da UE contra a Rússia.

O vice-presidente da UE, Margaritis Schinas, reuniu-se, esta sexta-feira, na capital Sérvia, Belgrado, com a primeira-ministra sérvia Anna Brnabic.

"Há uma sensibilidade que não vou esconder, nestes momentos difíceis em que muitas pessoas na UE sofrem as consequências desta guerra ilegal e irracional na Ucrânia, que muitas pessoas, muitos líderes estão a olhar em redor e esperam que todos partilhem a comunhão do projeto nestes momentos difíceis. E em particular aqueles que aspiram a estar connosco," explicou o vice-presidente da UE, Margaritis Schinas.

Durante a visita do vice-presidente da Comissão Europeia a Belgrado, o Presidente Aleksandar Vucic participou na inauguração da fábrica da MTU, um fabricante alemão de motores de avião que acaba de instalar uma das suas linhas de produção em Belgrado. O presidente sérvio disse à imprensa local para se sentir sob pressão quando se tratasse da questão das sanções

"Todos eles querem que imponhamos sanções. É isso que vocês também procuram. Cerca de 15 a 20 por cento dos sérvios estão a pedir isso. Eu compreendo isso. Aceito-o como um pedido politicamente legal e legítimo, e é isso mesmo. Quanto aos resultados em si, é importante dizer que fazemos parte da Comunidade Política Europeia, não importa se introduzimos essas sanções ou não," afirmou o Presidente Vucic.

A comissão da UE publicará na próxima quarta-feira um relatório sobre o alargamento à Sérvia, e as expectativas em Belgrado são bastante sombrias.