EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Cerca de 500 baleias-piloto encalham numa semana em praias da Nova Zelândia

Imagem de um outro incidente recente ocorrido na Tasmânia, Austrália
Imagem de um outro incidente recente ocorrido na Tasmânia, Austrália Direitos de autor Department of Natural Resources and Environment Tasmania via AP/Arquivo
Direitos de autor Department of Natural Resources and Environment Tasmania via AP/Arquivo
De  Francisco Marques
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os animais do primeiro grupo morreram ou tiveram de ser eutanasiados devido à impossibilidade das autoridades neozelandesas de os devolverem ao mar com vida

PUBLICIDADE

Um segundo grupo de cerca de 250 baleias-piloto encalhou na Nova Zelândia em menos de uma semana, somando ambos os episódios, foram cerca de 500 animais o que torna este no pior registo do género no país desde 2017.

Depois de um primeiro grupo de 250 ter encalhado na sexta-feira na ilha de Chatham, agora um novo grupo na mesma proporção também encalhou na ilha de Pitt, cerca de quatro quilómetros a sul.

"É chocante e as pessoas sentem-se tristes por esta enorme perda. É raro, apesar de estar a acontecer cada vez mais. Mas ter assim dois incidentes desta proporção é inacreditável", afirmou a presidente da câmara das ilhas de Chatham, Monique Croon, citada pela Radio Nova Zelândia.

As cerca de 250 que encalharam na sexta-feira morreram ou tiveram de ser eutanasiadas.

As causas do encalho destes dois grupos de baleias-piloto é ainda desconhecido.

A última vez que a Nova Zelândia registou algo do género foi há cinco anos quando um grupo com 600 a 700 animais encalhou em Farewell Spit, no norte da Ilha do Sul, a maior da Nova Zelândia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais de 50 baleias-piloto morreram na Austrália - voluntários correm para salvar as restantes

Foram sepultadas as sete baleias mortas encontrada no Chipre

Austrália e Nova Zelândia dão as boas-vindas a 2024