União Europeia discute novas sanções ao Irão

Josep Borrell na reunião de chefes da diplomacia da UE
Josep Borrell na reunião de chefes da diplomacia da UE Direitos de autor Geert Vanden Wijngaert/AP
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Fornecimento de armas à Rússia e repressão mortífera das manifestações contra o regime de Teerão estão na causa do endurecimento das medidas.

PUBLICIDADE

Há uma nova ronda de sanções europeias ao Irão que se prepara: a repressão das manifestações contra o regime teocrata de Teerão, a par do papel que o país está a ter na ajuda militar à Rússia na guerra da Ucrânia está a levar a União Europeia a voltar atrás na política que, até há pouco tempo, era de desanuviamento e de aproximação ao país.

Na reunião dos chefes da diplomacia dos 27, o Alto Representante da Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, insistiu na ajuda que o Irão está a dar à Rússia: "Insistimos para que o Irão pare de fornecer à Rússia armas que são usadas para cometer atrocidades contra o povo ucraniano, o que é uma clara violação da resolução número 2231 do Conselho de Segurança da ONU", disse.

Em causa está, sobretudo, o fornecimento dos chamados "drones suicidas" que a Rússia tem usado nos últimos meses em vários ataques na Ucrânia.

Depois de um longo período de apaziguamento, que terminou com a assinatura do acordo sobre o nuclear iraniano, as relações entre a União Europeia e o Irão voltam a azedar, também devido à repressão das manifestações. Desde que começaram os protestos, no seguimento da morte de Mahsa Hamini há dois meses, 326 pessoas foram mortas, segundo a ONG Human Rights Watch, e mais de 2000 enfrentam julgamentos que podem levar à aplicação da pena de morte.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos violentos prosseguem no Irão e já ecoam no Mundial de futebol

Aumenta a violência dos protestos no Irão

Irão lança satélite que faz parte de um programa espacial criticado pelo Ocidente