EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Dia de greve das mulheres na Islândia

Imagem da praça principal da capital islandesa esta terça-feira
Imagem da praça principal da capital islandesa esta terça-feira Direitos de autor Arni Torfason/AP
Direitos de autor Arni Torfason/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pela quinta vez em 50 anos, milhares saíram na rua pela igualdade salarial

PUBLICIDADE

Milhares de islandesas em greve para exigir igualdade de salários e oportunidades. É a sexta vez que o movimento sai à rua em 50 anos. Uma greve às tarefas profissionais e domésticas que tem o apoio da primeira-ministra da Islândia.

"Não exercerá as suas funções oficiais (...) e a reunião do Conselho de Ministros prevista foi adiada", declarou à AFP o gabinete de Katrín Jakobsdóttir.

Segundo o Fórum Económico Mundial, a Islândia ocupa o primeiro lugar no mundo em matéria de igualdadede género. Mesmo assim, a diferença salarial média entre homens e mulheres era de 10,2% em 2021. Os organizadores do protesto dizem que é tempo de acabar com a disparidade.

Manifestações em cerca de vinte municípios do país

A manifestação em Reiquiavique começou às 14h00 e, de acordo com as imagens dos media islandeses, a praça principal parecia cheia. 

A capital, onde 75% dos funcionários são mulheres, anunciou o encerramento de 59 creches e jardins-de-infância e o abrandamento do ritmo de funcionamento de todos os serviços municipais. Os salários dos funcionários públicos em greve serão pagos.

Os organizadores da greve esperavam que, na terça-feira, os homens assumissem o trabalho não remunerado que muitas vezes cabe às mulheres, relacionado com a casa ou os filhos.

"Esperamos que os maridos, os pais, os irmãos e os tios assumam as responsabilidades familiares e domésticas, como preparar o pequeno-almoço e os tupperwares para o almoço, recordar os aniversários dos entes queridos, comprar um presente para a sogra, marcar uma consulta no dentista para o filho, etc.", enumeram as grevistas no site de preparação da jornada de greve.

As grevistas também querem aproveitar este dia para levantar a questão da violência baseada no género.

"Verificamos que 40% das mulheres sofreram ou irão sofrer violência nas suas vidas. Esta greve é tanto pela igualdade de salários como contra a violência contra as mulheres e as pessoas não binárias", afirma Lína Petra Thórarinsdóttir, 45 anos, responsável pelo turismo na Business Iceland, a agência de promoção do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de pessoas em todo o mundo exigem fim da violência de género

Vulcão em atividade em Grindavick pode ter “atingindo um ponto de equilíbrio”

Vulcão na Islândia entra em erupção pela quarta vez em três meses