EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Antony Blinken elogia progressos no cessar-fogo entre Israel e o Hamas

Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, na visita a Israel
Antony Blinken, secretário de Estado dos EUA, na visita a Israel Direitos de autor Saul Loeb/AP
Direitos de autor Saul Loeb/AP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em Israel, o secretário de Estado norte-americano disse que o processo está "a dar resultados" e que espera que "possa continuar".

PUBLICIDADE

O secretário de Estado norte-americano elogiou o progresso do cessar-fogo entre o Hamas e Israel.

Antony Blinken, que visita Israel pela terceira vez desde o início da guerra,  destacou os progressos alcançados na libertação de reféns e na ajuda humanitária aos habitantes de Gaza.

“Este processo está a dar resultados, é importante e esperamos que possa continuar", disse.

Esta quinta-feira, Israel e o Hamas concordaram em prolongar o cessar-fogo por mais um dia, poucos minutos antes de expirar.

Espera-se que Blinken pressione por novas extensões da trégua e pela libertação de mais reféns.

A pressão internacional aumentou para que o cessar-fogo continue o máximo de tempo possível, depois de quase oito semanas de bombardeamentos israelitas e de uma campanha terrestre em Gaza ter matado milhares de palestinianos, desenraizado três quartos da população de 2,3 milhões e levado a uma crise humanitária sem precedentes.

O Qatar, que tem desempenhado um papel fundamental na mediação com o Hamas, disse que a trégua estava a ser prorrogada nos mesmos termos, com o Hamas a libertar 10 reféns israelitas por dia em troca da libertação de 30 prisioneiros palestinianos por parte de Israel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Blinken anuncia novo pacote de ajuda à Ucrânia

Tribunal russo condena jornalista do Wall Street Journal a 16 anos de prisão por espionagem

Trump aceita nomeação para corrida presidencial e cita Orbán no discurso