Conselho de Segurança da ONU aprova resolução para aumentar ajuda humanitária a Gaza

A embaixadora norte-americana absteve-se na votação na ONU
A embaixadora norte-americana absteve-se na votação na ONU Direitos de autor Petr David Josek/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Conselho de Segurança aprovou texto revisto, com abstenções dos Estados Unidos da América e da Rússia.

PUBLICIDADE

O Conselho de Segurança da ONU aprovou esta sexta-feira uma resolução para aumentar a ajuda humanitária na Faixa de Gaza, depois de vários adiamentos.

A resolução recebeu 13 votos a favor, nenhum contra e duas abstenções: da Rússia e dos Estados Unidos da América.

A resolução não inclui, porém, o apelo a uma "suspensão urgente das hostilidades" entre Israel e o Hamas.

O texto agora aprovado foi revisto e negociado durante uma semana e meia ao mais alto nível pela diplomacia norte-americana e dos Emirados Árabes Unidos, em nome das nações árabes.

A embaixadora dos Estados Unidos, Linda Thomas-Geenfield, admitiu que Washington não tem problemas com este texto, mas outros países, como a Rússia, pediam linguagem mais forte que incluísse o mencionado apelo à suspensão urgente das hostilidades.

Os membros do Conselho de Segurança da ONU reuniram-se à porta fechada na quinta-feira para discutir um novo projeto de resolução e atrasaram a votação para consultarem os seus governos sobre as mudanças, que tinham como objetivo evitar um veto dos Estados Unidos. 

Guterres diz que problema é forma como Israel conduz ofensiva

Falando após a votação no Conselho de Segurança, a embaixadora dos Estados Unidos referiu que a resolução agora aprovada não ignora a "gravidade desta crise" e pede às nações que façam mais.

"Esta resolução coloca o peso do Conselho de Segurança por trás dos esforços e reforça-os ao pedir a nomeação de um alto responsável da ONU que irá trabalhar para agilizar a entrega de ajuda humanitária conforme necessária e de forma sustentável", defendeu Linda Thomas-Greenfield.

A embaixadora dos EUA acrescentou ainda que ficou "profundamente desapontada" porque o Conselho "não conseguiu condenar o terrível ataque terrorista do Hamas".

"Não consigo compreender porque alguns membros do Conselho estão a opor-se e recusam condenar estas maldades de forma inequívoca. Nunca conseguirei compreender porque alguns membros do Conselho permaneceram em silêncio perante tais maldades", disse ainda.

"O verdadeiro problema é a forma como Israel conduz a sua ofensiva, que cria enormes obstáculos à distribuição de ajuda humanitária a Gaza"
António Guterres
Secretário-geral da ONU

Falando após o voto do Conselho de Segurança, o secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu que o verdadeiro problema com a ajuda humanitária a Gaza é "a forma como Israel conduz a sua ofensiva".

"O verdadeiro problema é a forma como Israel conduz a sua ofensiva, que cria enormes obstáculos à distribuição de ajuda humanitária a Gaza", disse Guterres aos jornalistas, insistindo que um cessar-fogo humanitário é o único modo de começar a responder "às necessidades desesperadas da população de Gaza e pôr um fim ao pesadelo que ela vive".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Guerra em Gaza já matou 152 soldados israelitas

Ofensiva israelita já fez 20 mil mortos em Gaza desde 7 de outubro