EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Trump vai "encorajar" a Rússia a atacar os Estados da NATO que não gastem o suficiente

O ex-Presidente Donald Trump, candidato presidencial republicano, discursa num comício "Get Out The Vote" na Coastal Carolina University em Conway, S.C., no sábado, 10 de fevereiro de 2024.
O ex-Presidente Donald Trump, candidato presidencial republicano, discursa num comício "Get Out The Vote" na Coastal Carolina University em Conway, S.C., no sábado, 10 de fevereiro de 2024. Direitos de autor Manuel Balce Ceneta/AP
Direitos de autor Manuel Balce Ceneta/AP
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Moscovo poderia "fazer o que quisesse" com os membros da aliança militar dos EUA que não cumprissem os objectivos de despesa, avisou o candidato republicano.

PUBLICIDADE

Donald Trump disse no sábado que "encorajaria" a Rússia a atacar os membros da NATO que não pagassem as suas contas como parte da aliança militar liderada pelos EUA.

Num comício, o candidato republicano afirmou que, durante a sua presidência, disse a um dirigente que os EUA não protegeriam um membro da NATO que não cumprisse o objetivo de despesa com a defesa da NATO.

Num cenário hipotético em que fossem atacados por Moscovo, Trump avisou que "encorajaria" a Rússia "a fazer o que bem entendesse".

"Não pagaste? Estás inadimplente?" Trump contou ter dito. "Não, eu não vos protegeria. De facto, eu encorajava-os a fazer o que bem entendessem. Têm de pagar. Têm de pagar as vossas contas".

Os Estados da NATO são obrigados a ajudar os outros Estados membros. Muitos especialistas defendem que a NATO é uma aliança de defesa fundamental que tem ajudado a reduzir a guerra e os conflitos.

O porta-voz da Casa Branca, Andrew Bates, considerou os comentários de Trump "aterradores e desequilibrados", afirmando que "encorajar invasões dos nossos aliados mais próximos (...) põe em perigo a segurança nacional americana, a estabilidade global e a nossa economia interna".

Depois de a Rússia ter anexado a península ucraniana da Crimeia em 2014, os países da NATO concordaram em gastar 2% do seu PIB na defesa até 2024, invertendo décadas de cortes desde a Guerra Fria.

Preocupação com o apoio dos EUA na Europa

Os comentários de Trump surgem numa altura em que a Ucrânia luta para combater a invasão russa de 2022, tendo a sua contraofensiva falhado e faltando o fornecimento de armas.

Os esforços do presidente Joe Biden para enviar a Kiev o tão necessário apoio dos EUA foram interrompidos no Congresso devido à oposição da extrema direita.

Os comentários de Trump também irão provavelmente irritar as capitais europeias, à medida que aumentam as hipóteses de um confronto entre Biden e Trump nas eleições presidenciais americanas de 2024.

Muitos aliados dos Estados Unidos receiam que um segundo mandato de Trump seja um terramoto, mas as preocupações estão a aumentar, uma vez que Washington poderá tornar-se menos fiável, independentemente do vencedor.

Com um eleitorado dividido e um impasse no Congresso, o próximo presidente dos EUA poderia facilmente ocupar-se com os desafios internos - antes mesmo de enfrentar os múltiplos pontos de tensão em todo o mundo, da Ucrânia ao Médio Oriente.

O veredito recente do presidente francês Emmanuel Macron foi direto: a "primeira prioridade da América é ela própria".

Joe Biden com presidente ucraniano em Kiev, em fevereiro de 2023
Joe Biden com presidente ucraniano em Kiev, em fevereiro de 2023Evan Vucci/Copyright 2023 The AP. All rights reserved

A primeira administração Trump pôs à prova os laços entre os EUA e os seus aliados, nomeadamente na Europa.

Ele ridicularizou líderes de algumas nações aliadas, incluindo a alemã Angela Merkel e a britânica Theresa May, enquanto elogiava autoritários como o presidente turco Recep Tayyip Erdogan e o líder russo Vladimir Putin.

PUBLICIDADE

Nos discursos de campanha, Trump ataca repetidamente organizações internacionais como a NATO, criticando os milhares de milhões que Washington gasta na sua manutenção.

Alarmou os aliados ocidentais ao avisar que os EUA poderiam abandonar os seus compromissos com a NATO e só defender os países que cumprissem o seu objetivo de 2% de despesas militares.

Como presidente, Trump acabou por apoiar o artigo 5º da NATO, que estabelece que um ataque armado contra um ou mais dos seus membros deve ser considerado um ataque contra todos os membros.

Mas frequentemente retratou os aliados da OTAN como sanguessugas em Washington e questionou abertamente o valor da aliança militar que definiu a política externa dos EUA por décadas.

PUBLICIDADE

Em 2022, a NATO informou que sete dos que são agora 31 países membros da NATO estavam a cumprir essa obrigação - contra três em 2014.

A invasão da Ucrânia pela Rússia em 2022 estimulou gastos militares adicionais por parte de alguns membros da OTAN.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tusk reforça laços de Varsóvia com Paris e Berlim: "A Europa tem de se tornar um continente seguro"

Democratas pressionam Joe Biden para reavaliar candidatura às presidenciais

Trump aceita nomeação para corrida presidencial e cita Orbán no discurso