EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Aquecimento para a assinatura da União Euroasiática

Aquecimento para a assinatura da União Euroasiática
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
PUBLICIDADE

Astana, no Cazaquistão, é o cenário da assinatura da União Euroasiática a 29 de maio entre o Cazaquistão a Rússia e a Bielorússia.

Um projeto pós-soviético de integração com o apreço especial de Vladimir Putin que visa substituir os laços políticos pelos económicos. A apenas alguns dias da assinatura do tratado, é a altura ideal para realizar um fórum económico.

Cazaquistão e Bielorrússia adiantaram que não têm intenções de perder a sua independência, e que a questão se resume apenas a negócios.

O Cazaquistão não vai ceder a soberania a ninguém, disse o vice-primeiro-ministro Bakytzhan Sagintayev: “Não vamos voltar à antiga União Soviética. Estamos a criar uma união puramente económica, com princípios pragmáticos. Queremos uma economia em crescimento e o desenvolvimento dos nossos negócios. Queremos que os investidores venham até nós e, eventualmente, aumentar o nosso PIB.”

A Rússia começou a formar uma parceria económica regional com a Bielorrússia, Cazaquistão, Ucrânia e os Estados da Ásia Central no início de 2000. A crise de 2008-2009 estimulou a convergência da Rússia, do Cazaquistão e da Bielorrússia, mutuamente dependentes do fornecimento de gás e petróleo.

Em 2010, formaram uma união aduaneira com o objetivo de fortalecer o comércio mútuo, através da eliminação das barreiras alfandegárias.

Rakhim Oshakbaev adianta que: “Uma série de marcas famosas vieram para o Cazaquistão e trouxeram investimentos diretos. Estão interessadas ​​no acesso ao mercado comum da União com mais de 170 milhões de pessoas, e com um PIB de 1600 biliões de euros.

Várias corporações como a Toyota, a SsangYong, ou a Iveco começaram a organizar linhas de produção no Cazaquistão. “Para que a União Eurosiática seja benéfica, deve ser benéfica para a empresa, para o comerciante individual e para o investidor individual. Só aí começa a ser benéfica para a união como um todo”, explica Antonio Somma.

Mas pode ser difícil evitar a geopolítica. Com mais de 50% do seu comércio com a Rússia, Bielorússia e Cazaquistão. A Ucrânia foi uma peça-chave no programa da Eurásia durante a última década.

Rússia ofereceu 11 mil milhões de euros em créditos um preço baixo pelo gás, para fazer com que a Ucrânia não entrasse no acordo comercial com a UE. Esse conflito sobre a escolha da Ucrânia entre o Oriente e o Ocidente levou à atual crise no país.

Tatiana Valovaya dá a sua opinião: “Creio que a União Económica Euroasiática não poderia ter nascido sem a Ucrânia, mas com a Ucrânia como membro esta organização pode não funcionar muito bem. Talvez seja melhor que a Ucrânia já não faça parte deste projeto euro-asiático de integração.”

Mas a porta está aberta. Arménia e Uzbequistão também se comprometeram a participar. Tadjiquistão e Quirguistão também gostariam, mas ainda não podem. A União Euroasiática entra oficialmente em operação a 1 de janeiro de 2015.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Emirados Árabes Unidos apostam no turismo desportivo

PME destacadas em Praga em clima de incerteza

Dubai põe 200 mil robôs ao serviço da economia