Bombardier despede por todo o Mundo e em Portugal também

Bombardier despede por todo o Mundo e em Portugal também
De  Francisco Marques com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Grupo canadiano anuncia reestruturação a nível mundial com eliminação global de 7500 postos de trabalho, mas em Portugal o processo em curso é outro.

PUBLICIDADE

Portugal não faz parte da reestruturação mundial anunciada esta sexta-feira pela Bombardier, a empresa canadiana fabricante de material ferroviário e de aeronaves, mas a representação portuguesa da companhia tem também em curso um despedimento coletivo.

Ao jornal de Negócios, a Bombardier Portugal confirmou o novo despedimento coletivo, fruto da atual restruturação da empresa.

Bombardier Portugal em processo de despedimento colectivo https://t.co/GXSoaaIaIu

— Jornal de Negócios (@JNegocios) 21 de outubro de 2016

O responsável dos Recursos Humanos em Portugal lembrou já ter ocorrido um despedimento coletivo no ano passado, o qual levou à saída de 20 trabalhadores. Sem revelar o número de pessoas afetados este ano, o porta-voz explicou que a empresa está a tentar relocalizar alguns dos trabalhadores dentro do grupo, nomeadamente noutros países, caso tenham interesse.

O Negócios lembra que um dos grandes clientes da Bombardier em Portugal era o Metro do Porto, mas o contrato de manutenção terminou no final de 2014 e a EMEF foi a escolhido para dar assistência a companhia de transportes da Invicta por dois anos a troco de 11 milhões de euros.

A perda do cliente para a EMEF, levou a casa-mãe canadiana a apresentar uma queixa à Comissão Europeia denunciando ajudas do Estado àquela empresa avaliadas em 90 milhões de euros, o que, alegou, viola as regras europeias. Bruxelas anunciou a abertura de uma investigação.

Apesar da restruturação em curso, a Bombardier Portugal garante continuar à procura de novos contratos e a concorrer a novos projetos.

O despedimento mundial da Bombardier

A Bombardier anunciou esta sexta-feira uma nova vaga de despedimentos, na qual prevê a saída de 7.500 trabalhadores em todo o mundo nos próximos dois anos. Em comunicado, o grupo canadiano explicou que as medidas de reestruturação preveem alcançar uma poupança de 229 milhões de dólares até ao final de 2018.

Bombardier to cut 7,500 jobs through 2018 https://t.co/qwCzI1WQQB

— Reuters Business (@ReutersBiz) 21 de outubro de 2016

“As medidas anunciadas permitirão à empresa ter a estrutura de custos e o número de trabalhadores adequado para competir e ganhar no futuro”, afirmou o presidente executivo da Bombardier, Alain Bellemare.

“Depois da redução feita com êxito no ano passado, o enfoque mudou para criar o caminho para o crescimento dos ganhos e geração de liquidez”, acrescentou.

La région Normandie va commander 40 trains à Bombardier https://t.co/9hZ49ZI6pc

— Le Parisien (@le_Parisien) 21 de outubro de 2016

Cerca de 2.000 dos postos de trabalho serão eliminados nas operações da Bombardier no Canadá, enquanto os restantes despedimentos se farão no resto do mundo.

Por setores, a maioria dos despedimentos (5.000) ocorrerão no Transporte, área que é dedicada à produção de material ferroviário, enquanto os restantes afetarão as unidades de produção de aviões.

A Bombardier emprega 70.600 trabalhadores em todo o mundo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diretora financeira da Huawei detida no Canadá

Guerra aberta entre Bombardier e Boeing

Ryanair cancela mais voos a partir de novembro