EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Exportações da Alemanha fecharam 2016 imunes ao "efeito Trump"

Exportações da Alemanha fecharam 2016 imunes ao "efeito Trump"
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Relatório de instituto económico de Munique mostra um crescimento do otimismo das exportações germânicas no período entre as Presidenciais e a tomada de posse do novo chefe da Casa da Branca.

PUBLICIDADE

O comércio externo da Alemanha revelou um aumento do otimismo de quase 15 décimas no final do ano passado, revela um relatório do Instituto Ifo, de Munique. A subida dos 0,57 pontos de novembro para os 0,71 em dezembro revela que a maior economia europeia resistiu ao pessimismo gerado pelo chamado “efeito Trump” no setor das exportações.

Nochmals kräftiger Anstieg des #ifoExportklimas zum Jahresende https://t.co/xNu7jtePzopic.twitter.com/1vsoyvhqhd

— ifo Institut (@ifo_Institut) 23 de janeiro de 2017

Eleito Presidente dos Estados Unidos a 8 de novembro e empossado a 20 de janeiro, Trump pretende promover sobretudo a produção norte-americana e prometeu, por exemplo, aumentar as taxas alfandegárias para 35 por cento. O objetivo é aumentar a pressão sobre as importações e fomentar a aposta na produção interna.

A mudança ameaça, entre diversos setores germânicos, a indústria automóvel, uma das mais importantes do comércio externo germânico

Klaus Wholrabe, do Instituto IFO, explica, no entanto, que “até agora, Donald Trump não se fez sentir” na Alemanha. “O que é uma surpresa até pelas declarações de Trump a deixar antever um declínio da indústria exportadora alemã (no mercado norte-americano). De forma surpreendente, para já, ainda se sente muito otimismo no setor, mas é preciso lembrar, no entanto, que nenhuma decisão concreta de Trump foi ainda implementada”, avisa este economista alemão.

ifo #Geschäftsklimaindex sinkt zum Start ins neue Jahr https://t.co/izXhM1ii7qpic.twitter.com/MvddVQqhi9

— ifo Institut (@ifo_Institut) 25 de janeiro de 2017

Apesar de uma recente sondagem também do Instituto Ifo (infrografia no “tuíte” em cima) deixar antever algum nervosismo entre as empresas germânicas, o Governo alemão manteve a estimativa de crescimento nos 1,4 por cento depois de ter alcançado os 1,9 por cento no ano passado.

“A economia alemã está em muito boa condição”, garantiu Sigmar Gabriel, o ministro da Economia germânica, apontando ao mercado asiático caso Donald Trump dificulte a entrada dos produtos alemães nos Estados Unidos.

“Wenn #Trump die USA abschottet, öffnet das neue Räume für uns. Wir werden Asien signalisieren, dass wir für offenen und fairen Handel sind” pic.twitter.com/mhLXmeqawh

— BMWi Bund (@BMWi_Bund) 25 de janeiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental

O sentimento económico da Alemanha desce mais do que o esperado: A recuperação está em risco?

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros