Zona Euro: Confirma-se a retoma económica mas inflação sobe

Zona Euro: Confirma-se a retoma económica mas inflação sobe
De  Patricia Cardoso com REUTERS, LUSA, EUROSTAT
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Impulsionada pela política de estímulos do Banco Central Europeu (BCE), a zona euro confirma a sua retoma económica.

PUBLICIDADE

Impulsionada pela política de estímulos do Banco Central Europeu (BCE), a zona euro confirma a sua retoma económica.

Segundo os dados do Eurostat, em 2016, a economia da zona euro cresceu 1,7%, o que marca uma desaceleração face aos 2% do ano anterior. Mas no final do ano, o desempenho acelerou e foi robusto.

Entre outubro e dezembro, o PIB progrediu 0,5%, em termos trimestrais, e 1,8% em termos homólogos, tal como no trimestre precedente.

Euro area GDP +0.5% in Q4 2016, +1.8% compared with Q4 2015: preliminary flash estimate from #Eurostathttps://t.co/8krAFeAw45pic.twitter.com/yyci1wEQU7

— EU_Eurostat (@EU_Eurostat) 31 de janeiro de 2017

Os dados do crescimento ainda não são suficientes para fazer baixar o desemprego de forma significativa, mas o número de desempregados na união monetária continua a recuar.

Para o mês de dezembro, o Eurostat revela uma taxa de 9,6%, contra 10,5% um ano antes. É o valor mais baixo desde maio de 2009.

Euro area unemployment at 9.6% in Dec 2016: lowest rate since May 2009. EU at 8.2% – lowest since Feb 2009 #Eurostathttps://t.co/pWFN7pwuLypic.twitter.com/Y9D7V9ggYV

— EU_Eurostat (@EU_Eurostat) 31 de janeiro de 2017

Portugal, de acordo com o gabinete europeu de estatística, regista o terceiro maior recuo entre os Estados membros da União Europeia.

Em termos anuais, a taxa baixou dois pontos percentuais e está nos 10,2%. Mas entre os jovens portugueses de menos de 25 anos, a taxa de desemprego é de 26,6%, muito acima da média europeia.

Quanto à inflação na zona euro, a taxa anual aproxima-se da meta de 2% fixada pelo BCE. Está em máximos de quase quatro anos.

Em janeiro, a taxa de inflação homóloga era de 1,8%, sete décimas mais do que em dezembro. Mas excluindo a energia e alimentos processados, a medida seguida pelo BCE, a taxa mantém-se estável nos 0,9%.

Euro area inflation up to 1.8% in January 2016; the highest since February 2013: see flash estimate from #Eurostathttps://t.co/X0q2tkKeDbpic.twitter.com/C3KvvIEnqn

— EU_Eurostat (@EU_Eurostat) 31 de janeiro de 2017

A subida da inflação deve-se em parte à energia, que em termos anuais disparou mais de 8%. Para já os analistas não esperam uma mudança da política do BCE.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemanha cresce ao ritmo mais alto desde 2011

Desemprego de longa duração na Europa

Alemanha confirma mercado laboral forte e a inflação a crescer