EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

ACEA: Forte aumento das vendas de carros no início de 2017

ACEA: Forte aumento das vendas de carros no início de 2017
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com ACEA, Reuters, Ansa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Um forte início de ano no mercado automóvel europeu.

PUBLICIDADE

Um forte início de ano no mercado automóvel europeu. De acordo com os dados da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (ACEA):http://www.acea.be/uploads/press_releases_files/20170215_PRPC_1701_FINAL.PDF, em janeiro, as vendas de carros novos na União Europeia, Islândia, Noruega e Suíça dispararam 10,1%, face ao mesmo mês de 2015.

Só na União Europeia, as vendas aumentaram 10,2%.

Passenger car registrations: +10.2% in January 2017 | PRESS RELEASE: https://t.co/LsnfKEH8REpic.twitter.com/WGIv0J4lGA

— ACEA (@ACEA_eu) 16 de fevereiro de 2017

No total, foram vendidos mais de 1,2 milhões de veículos.

Espanha, França, Alemanha e Itália registam um crescimento acima dos 10%. Em Portugal, as vendas progrediram 7,8% e no Reino Unido apenas 2,9%.

O grupo francês PSA Peugeot-Citröen mantém-se em segundo lugar em termos de quota de mercado e a rival gaulesa Renault aproxima-se. Razões que levam a PSA a negociar a compra das marcas europeias da General Motors, isto é, a Opel e Vaxhaul, que o construtor norte-americano não consegue relançar.

Em janeiro, as vendas da General Motors e da PSA na Europa cresceram, mas menos do que os rivais. Aliados, os dois grupos controlam cerca de 17% do mercado, bem atrás da Volkswagen que, apesar do escândalo das emissões poluentes, mantém uma quota de 24%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que está em alta e o que não está para as viagens e o turismo este ano?

Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico

Comissão Europeia prevê descida da inflação apesar do aumento do preço do petróleo