EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Itália: Taxistas contestam adiamento de regras para serviços como Uber

Itália: Taxistas contestam adiamento de regras para serviços como Uber
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com ANSA, EBU
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Em Roma, Milão, Turim, Florença ou nos aeroportos encontrar um taxi era complicado esta quinta-feira.

PUBLICIDADE

Em Roma, Milão, Turim, Florença ou nos aeroportos encontrar um taxi era complicado esta quinta-feira. Os taxistas italianos estavam em greve e, na capital, cerca de mil manifestaram-se frente ao Senado, bloqueando o centro da cidade.

Caos #Taxi en #Italia, protesta anti-Uber: miles de taxistas protestan en #Romahttps://t.co/7i8DvY9i4Bpic.twitter.com/fjgLlsEYld

— El Itagnol (@elitagnol) 16 de fevereiro de 2017

Taxi, quali sono le ragioni della protesta (e cosa c’entra Uber) https://t.co/qtn0ruo5jTpic.twitter.com/U3cv1gDkTn

— Corriere della Sera (@Corriere) 16 de fevereiro de 2017

Contestam o decreto-lei “Milleproroghe” que, entre inúmeras medidas, adia para o final do ano a entrada em vigor das regras para o aluguer de veículos com motorista.

Os taxistas estimam que o decreto, já em vigor, abre as portas às multinacionais e legaliza serviços como o Uber.

Um dos líderes do protesto dizia-se zangado e defendia: “Somos pessoas honestas e estamos preocupados com as notícias sobre a legalização dos motoristas de táxis ilegais”.

Um dos pontos mais polémicos do decreto do governo é que os motoristas de serviços de transporte privado podem estacionar em qualquer parte à espera de clientes, enquanto os taxistas são obrigados a regressar a locais definidos.

O documento foi aprovado pelo Senado e passa para a Câmara dos Deputados, que tem de votar o texto até 28 de fevereiro, data em que o decreto caduca.

Entretanto, o ministro italiano dos Transportes convocou os representantes sindicais dos taxistas para uma reunião no dia 21 de fevereiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Diretora financeira da Huawei detida no Canadá

Guerra aberta entre Bombardier e Boeing

Ryanair cancela mais voos a partir de novembro