EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Dinamarca deixa de explorar petróleo no Mar do Norte até 2050

Dinamarca deixa de explorar petróleo no Mar do Norte até 2050
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A decisão pretende tornar o país mais "verde" e menos dependente das energias fósseis. A Greenpeace aplaude, mas nem todos estão de acordo.

PUBLICIDADE

A exploração de petróleo e gás no Mar do Norte por parte da Dinamarca tem os dias contados. O país cancelou a última ronda de licenciamento e decidiu acabar com esta atividade até 2050. Anunciou que está "a pôr um fim à era dos combustíveis fósseis", dando mais um passo para se tornar um país mais verde.

Dan Jørgensen, Ministro do Clima, Energia e Utilidades, diz: "A Dinamarca deve ser um exemplo de liderança verde e uma das formas de o fazer é colocar uma data final na extração de petróleo, mesmo se é o maior produtor de petróleo na União Europeia. Se pararmos antes de 2050, o preço seria muito mais elevado e o efeito climático também".

A Dinamarca tem 20 campos de de petróleo e gás e 55 plataformas de perfuração offshore. É o produtor número um na União Europeia, sendo que os dois maiores produtores europeus, Noruega e Reino Unido, são países não-membros da UE. A decisão agora aprovada pelo parlamento dinamarquês está a provocar preocupação no setor.

O diretor executivo da empresa responsável pela exploração do Mar do Norte pela Dinamarca, Jesper Høj Hansen, diz estar "aborrecido e preocupado, porque a grande reorganização verde que está a haver na indústria do petróleo e gás no país significa que a Dinamarca quer continuar a ser pioneira". Diz ainda que que "o fim da exploração de petróleo no Mar do Norte pode também significar o fim da energia eólica".

O fim da exploração de gás e petróleo no Mar do Norte pode significar também o fim da energia eólica (na Dinamarca).
Jesper Høj Hansen
CEO da North Sea Denmark

Já a organização ecologista internacional Greenpeace diz que esta decisão é "histórica para a necessária eliminação gradual dos combustíveis fósseis e uma vitória para o movimento em defesa do clima".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?