EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Icarus", os segredos do maior escândalo de doping do novo milénio

"Icarus", os segredos do maior escândalo de doping do novo milénio
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Documentário começou por focar-se na tentativa de Bryan Fogel imitar Lance Armstrong ludibriar os controlos antidoping na Europa, mas tornou-se ainda mais abrangente e polémico.

PUBLICIDADE

Grigory Rodchenkov dirigiu o centro antidoping de Moscovo. Foi responsável pela evasão de centenas de atletas das malhas dos controlos antidoping, permitindo-lhes brilhar nos Jogos olímpicos de inverno de Sochi, onde a Rússia conquistou 13 medalhas de ouro.

Pouco mais de ano e meio depois um escândalo provocado por uma alegada rede concertada de doping, com suposto conhecimento do governo liderado por Vladimir Putin, colocou em risco a presença da comitiva russa nas Olimpíadas de verão de 2014. Mais de uma centena de atletas russos foram suspensos e impedidos de competir no Rio de Janeiro.

#Icarus comes to Netflix August 4. pic.twitter.com/A7mNyIPhFB

— Netflix Life (@NetflixLifee) 6 de julho de 2017

O médico russo tornou-se o principal informador das autoridades, teve de receber proteção especial e acaba por ser a estrela de “Icarus”, o documentário de Bryan Fogel sobre os bastidores do maior escândalo de doping do novo milénio.

O realizador considera que a problemática do documentário “envolve todo o desporto”. “Envolve as Olimpíadas e competições internacionais que decorrem há décadas.
Dou por mim num nível similar ao de Edward Snowden, quem, essencialmente, planeou tudo para o próprio governo”, afirma Fogel.

O documentário começou por focar-se numa tentativa do próprio Brian Fogel imitar Lance Armstrong e entrar numa corrida de bicicletas europeia após recurso a doping. Introduziu-se nos meandros do mundo do doping e conheceu Grigory Rodchenkov.

“I was going to dope myself like lancearmstrong</a> and show the world that the anti-doping system doesn't work" - <a href="https://twitter.com/bryanfogel">bryanfogel#Icaruspic.twitter.com/Cjgw7p8oDz

— BUILD Series (@BUILDseriesNYC) 14 de julho de 2017

O médico acaba por lhe roubar os holofotes do documentário e, numa das entrevistas concedidas, chega mesmo a responsabilizar Vladimir Putin, garantindo que o Presidente da Rússia estava informado sobre a rede de doping russa. Fogel acabou por ter de ajudar Rodchenkov a emigrar e a receber proteção das autoridades.

“Icarus” estreou a 20 de janeiro no Festival de Sundance, nos Estados Unidos, onde ganhou o prémio especial do júri. Passou pela reedição britânica do mesmo festival, em Londres, a 03 de junho, e ainda por outras mostras e concursos cinéfilos europeus e norte-americanos.

A 04 de agosto, o polémico documentário de Bryan Fogel é disponibilizado pela plataforma digital Netflix.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Monica Bellucci leva Maria Callas ao Festival de Cinema de Salónica

Realizador alemão Wim Wenders recebe Prémio Lumière em Lyon