Jean Paul Gaultier veste o corpete da reforma

Jean Paul Gaultier veste o corpete da reforma
Direitos de autor euronews
De  Patricia Tavares
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mundo da Moda aplaude a carreira do criador.

PUBLICIDADE

Paris, 22 de janeiro de 2020: o dia do último desfile de Jean Paul Gaultier. Ao longo fez desfiles que eram espectáculos de variedades, paródias e exageros. Jean Paul Gaultier foi até aos anos 50 descobrir como se desenhavam os corpetes e saiu de lá como uma criatividade em forma de cone.

Nana - o urso de peluche do criador francês - foi o primeiro modelo de prova do soutien em forma de cone que colocou a confiança de Madonna dentro de um espartilho, nos anos 90.

Há 50 anos que estou na moda, comecei aos 18 anos - é muito tempo, talvez esteja na hora de descansar... não descansar porque não consigo parar de trabalhar, mas talvez fazer algumas coisas novas.
JEAN PAUL GAULTIER:
criador de moda
A palavra-chave hoje em dia é transgressão. Quebrar barreiras... E o pai fundador de todo este movimento é Jean Paul Gaultier. A ideia de usar roupas íntimas femininas, a moda masculina, o transformismo, os casacos desconstruídos... Ele inventou tudo isto na moda, antes de qualquer um. Tudo o que se vê hoje em dia, é um legado das suas ideias revolucionárias.
Godfrey Deeny
Crítico de moda
Creio que foi a pessoa mais independente e livre. É um mestre, mas um mestre com um tipo de leveza - na ironia que ele coloca nas coisas
Giambattista Valli
Criador de moda
Estamos todos comovidos com tanta alegria. Algumas pessoas diziam que estavam tristes e lhes apetecia chorar, mas não! É uma felicidade, tenho a certeza que está a preparar alguns projetos maravilhosos.
Christian Lacroix
Criador de moda

Com a camisola à marinheiro, Gaultier deixou um aviso à navegação: veste o corpete da reforma, mas vai fazer coisas novas. Palavra de marinheiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A exposição de Burtynsky na Saatchi Gallery "abre a cortina" sobre o impacto da humanidade na Terra

A floresta foi a inspiração da nova exposição do fotógrafo francês Vincent Munier

"La tête froide", o filme que traz um olhar diferente sobre a migração