A vida depois da pandemia na Bienal de Arquitetura de Veneza

A vida depois da pandemia na Bienal de Arquitetura de Veneza
Direitos de autor from AFP video
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Evento aborda vida em conjunto depois da pandemia.

PUBLICIDADE

É considerado o maior evento no setor, a Bienal de Arquitetura de Veneza abriu portas na semana passada. Tinha sido adiada devido à crise sanitária e aborda a questão do nosso futuro depois da pandemia. Hashim Sarkis, um arquiteto nascido em Beirute em 1964, é o curador desta edição de 2021.

Entre os 46 pavilhões nacionais, os europeus estão a dar a sua opinião sobre a questão. A Irlanda aborda a questão do "Entanglement" - o "emaranhamento " induzido pelas nossas sociedades digitais. Dentro do pavilhão de Espanha, os visitantes encontram-se no meio de uma espetacular nuvem de papéis flutuantes. Uma instalação luminosa, que esconde uma realidade mais sombria.

Em torno da grande questão colocada pela Bienal, sobre a "como vamos viver juntos", o Pavilhão francês destaca o papel das "comunidades em ação". Finalmente, o pavilhão alemão optou por olhar para 2038, onde talvez só existam códigos QR para preencher o espaço. É possível explorar a Bienal de Arquitetura, em Veneza, até novembro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A exposição de Burtynsky na Saatchi Gallery "abre a cortina" sobre o impacto da humanidade na Terra

A floresta foi a inspiração da nova exposição do fotógrafo francês Vincent Munier

"La tête froide", o filme que traz um olhar diferente sobre a migração