EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
Greta Thunberg, ativista sueca do clima, discursa durante a greve mundial contra o clima "Fridays for Future", em Berlim, Alemanha.
Greta Thunberg, ativista sueca do clima, discursa durante a greve mundial contra o clima "Fridays for Future", em Berlim, Alemanha. Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber
Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber
Direitos de autor AP Photo/Markus Schreiber

De protesto individual a movimento global: cinco anos de Fridays for Future em imagens

De  Euronews Green
Publicado a
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

Greta Thunberg participou na sua última greve escolar depois de se formar em junho, mas o movimento cresceu muito para além do seu primeiro protesto a solo.

PUBLICIDADE

A 20 de agosto de 2018, a ativista climática Greta Thunberg deixou de ir à escola. Em vez disso, fez algo que iria desencadear um movimento mundial e, espera-se, mudar o curso da história.

Thunberg sentou-se em frente ao Riksdag, o edifício do parlamento da Suécia, todos os dias durante o horário escolar com um cartaz agora famoso que dizia "Skolstrejk för klimatet" ("greve escolar pelo clima").

Após as vagas de calor e os incêndios florestais na Suécia, a ativista queria que o governo atuasse de forma significativa em relação às alterações climáticas.

TT News Agency/Hanna Franzen via REUTERS
Greta Thunberg segura um cartaz que diz “Greve escolar pelo clima” em frente ao Parlamento sueco em 2018.TT News Agency/Hanna Franzen via REUTERS

A ativista criou a frase " Fridays for Future" (Sextas-feiras pelo Futuro) que, cinco anos depois, se transformou num movimento juvenil global.

A primeira greve das “Sextas pelo Futuro" com mais do que uma pessoa fora da Suécia aconteceu em Haia, em frente ao Parlamento holandês. Foi liderada pelos ativistas Sandor van Gessel, Anne-Laure Stroek, Ianthe Minnaert e Ellis van der Borgh.

AP Photo/Rick Rycroft
Crianças em idade escolar seguram cartazes feitos à mão em protesto organizado por estudantes em frente ao gabinete do ex-primeiro-ministro australiano Tony Abbott em Sydney.AP Photo/Rick Rycroft

Os jovens australianos inspiraram-se e, em poucos dias, milhares de pessoas começaram a faltar à escola à sexta-feira.

No final do ano, os jovens estavam a fazer greve em cerca de 270 países.

Como o "Fridays for Future" organizou a maior greve climática da história

Em 2019, foi criado um impulso para uma ação coletiva global do "Fridays for Future." Em março, uma greve mundial reuniu mais de um milhão de pessoas, com 2200 protestos em 125 países. Em maio, uma segunda greve registou 1600 protestos em 150 países.

Em setembro, teve lugar a Semana Global para o Futuro, na qual cerca de quatro milhões de pessoas - muitas delas crianças em idade escolar - participaram naquilo que se pensa ser as maiores greves climáticas da história mundial.

AP Photo/Charles Rex Arbogast
Manifestantes ocupam a Dearborn Street, no famoso Loop de Chicago, durante uma marcha global contra as alterações climáticas na sexta-feira, 20 de setembro de 2019.AP Photo/Charles Rex Arbogast

Thunberg fez uma viagem de duas semanas de barco à vela através do Oceano Atlântico para participar em greves escolares nos EUA e assistir à Cimeira do Clima da ONU.

Foi também fundado um movimento online pelos ativistas norte-americanos Iris Zhan e George Zhang para tornar as “Sextas pelo Futuro" acessíveis a todos os que não puderam participar fisicamente na greve.

E, quando a pandemia de Covid-19 surgiu em 2020, Thunberg incentivou todos a levarem o seu ativismo para as redes sociais.

Jovens de todo o mundo começaram a publicar na Internet os seus cartazes "greve escolar pelo clima."

AP Photo/Ebrahim Noroozi
Jovens participam em ação de Greve Climática, enquanto as forças de segurança afegãs os protegem em Cabul, Afeganistão, sexta-feira, 20 de setembro de 2019.AP Photo/Ebrahim Noroozi

As greves climáticas globais têm-se realizado quase todos os anos desde 2018, com a participação de centenas de milhares de jovens para apelar a uma maior ação contra as alterações climáticas. Outros grupos, incluindo "Pais para o Futuro" e "Cientistas para o Futuro", foram fundados.

A última greve escolar de Greta Thunberg pelo clima

Para além dos protestos, Thunberg e os seus colegas do "Fridays for Future" falaram no palco global, dirigindo-se a líderes mundiais e especialistas em conferências por todo o mundo.

PUBLICIDADE

Nos últimos cinco anos, os jovens ativistas, convidados ou não, têm participado nas principais cimeiras mundiais, apelando aos governos para que atuem.

AP Photo/Alberto Pezzali
Ativistas climáticos marcham pelas ruas de Glasgow, Escócia, durante a COP26 em 2021.AP Photo/Alberto Pezzali

Sidha Ravi, fundadora do movimento "Fridays for Future India", utilizou greves digitais e mais de um milhão de e-mails para se opor às controversas regras de avaliação do impacto ambiental do país. A questão tornou-se notícia de primeira página e chamou à atenção do público.

E, embora poucas decisões sobre compromissos climáticos tenham estado diretamente ligadas à ação do "Fridays for Future", muitos acreditam que a atenção acrescida exerceu pressão sobre os decisores políticos mundiais para agirem.

AP Photo/Peter Dejong
Ativistas climáticas Mitzi Jonelle Tan, das Filipinas, à esquerda, e Vanessa Nakate, do Uganda, na COP27 em 2022.AP Photo/Peter Dejong

Em junho deste ano, Thunberg participou na sua 251ª greve escolar pelo clima. Foi a sua última greve antes de se formar.

PUBLICIDADE

"Quando comecei a fazer greve em 2018, nunca poderia esperar que isso levasse a alguma coisa", escreveu na rede social X. Começando com apenas um pequeno grupo de crianças a decidir fazer greve às sextas-feiras, diz Greta, levou à fundação do "Fridays for Future."

REUTERS/Marie Mannes
Greta Thunberg no exterior do edifício do Parlamento sueco na sua última greve escolar.REUTERS/Marie Mannes

"Mais pessoas juntaram-se a nós e, de repente, este movimento global começou a crescer todos os dias."

"Vou continuar a protestar às sextas-feiras, apesar de tecnicamente não ser uma 'greve escolar'. Não temos outra opção senão fazer tudo o que estiver ao nosso alcance. A luta ainda agora começou", conclui a ativista sueca.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas