EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Grécia poderá desafiar reforço das sanções europeias contra a Rússia

Grécia poderá desafiar reforço das sanções europeias contra a Rússia
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Na véspera de uma reunião de urgência dos chefes da diplomacia europeia, ativistas ucranianos deslocaram-se a Bruxelas, esta quarta-feira, para pedir mais sanções contra a Rússia.

PUBLICIDADE

Na véspera de uma reunião de urgência dos chefes da diplomacia europeia, ativistas ucranianos deslocaram-se a Bruxelas, esta quarta-feira, para pedir mais sanções contra a Rússia.

O tema vai ser debatido no seguimento do recente ataque dos rebeldes pró-russos à cidade de Mariupol.

“Viemos pedir mais sanções, sanções, sanções!”, disse a ativista Oksana Senyczak. “Sabemos que vão a debater essa possibilidade e viemos exigir ação!”, acrescentou.

Moscovo continua, contudo, a negar interferência nos assuntos internos ucranianos.

Andrei Bystritsky, presidente do Clube Valdai – uma fundação russa dedicada à discussão geopolítica -, disse à euronews estar contra “qualquer endurecimento das sanções, ou sequer que se discuta esse tema”.

“Defendo um diálogo aberto com base na verdade, em informações que sejam verificadas de forma imparcial e intelectualmente honestas”, defendeu Bystritsky.

Como as sanções económicas são de mais difícil consenso, os ministros deverão analisar a inclusão de novos nomes à lista de pessoas com bens congelados e vistos negados.

O ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) belga, Didier Reynders, explicou à euronews que “queremos analisar, sobretudo, como é que podemos aumentar a pressão sobre o governo de Moscovo, de forma a que ele use a sua influência na região. A nossa posição tem sido sempre a de pedir o respeito pelo protocolo de Minsk, isto é, garantir a implementação desse acordo”.

Mas a até agora unidade dos 28 países neste tema poderá ser desafiada pela Grécia.

O novo governo de Atenas, saído das eleições de domingo, já disse que não quer o reforço de sanções contra a Rússia e acusa o regime ucraniano de abrigar elementos fascistas.

A reunião dos MNE , na qual Portugal estará representado por Rui Machete, antecede um Conselho Europeu informal, agendado para 12 de fevereiro, em que o conflito na Ucrânia será debatido.

O conflito armado no leste da Ucrânia já fez mais de cinco mil mortos, desde que teve início em abril, segundo dados da ONU.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como é que Itália vê a abertura de Ursula von der Leyen para cooperar com Meloni?

António Costa já foi ouvido pelo Ministério Público na Operação Influencer

Borrell: UE enfrenta uma escolha "difícil" entre o apoio ao Estado de direito e o apoio a Israel