EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Merkel pede mais esforços dos parceiros europeus no apoio aos refugiados

Merkel pede mais esforços dos parceiros europeus no apoio aos refugiados
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A proposta da Comissão Europeia, para a redistribuição de mais 120 mil refugiados que se encontram na Hungria, Grécia e Itália, pelos

PUBLICIDADE

A proposta da Comissão Europeia, para a redistribuição de mais 120 mil refugiados que se encontram na Hungria, Grécia e Itália, pelos Estados-membros, é apenas “um primeiro passo”, pelo menos no entender da chanceler alemã. Esta terça-feira, em Berlim, Angela Merkel apelou aos parceiros europeus para irem mais longe de forma a enfrentar a crise.

No novo modelo de repartição de refugiados, Espanha deverá ser instada por Bruxelas a receber cerca de 15 mil pessoas. Excetuando a Polónia, os países bálticos e do bloco do Leste são aliviados.

Os detalhes da proposta do executivo comunitário serão conhecidos esta quarta-feira, dia em que o presidente da Comissão profere o primeiro discurso sobre o “estado da União.”

Em entrevista à Euronews, o enviado especial das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, apelou a um maior envolvimento dos Estados-membros: “A Europa poderia fazer mais. Todos sabemos isso. A primeira coisa a fazer seria encontrar uma fórmula comum como a que foi sugerida pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Uma fórmula de boas-vindas, com dignidade e coerência em todos os lados. Depois, a Europa poderia ajudar financeiramente os refugiados.”

No próximo dia 14 de setembro, os ministros europeus do Interior vão analisar e dar um primeiro sinal sobre as posturas em relação ao pedido de esforço adicional.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: campanha da Alternativa para a Alemanha comprometida por uma série de escândalos

Deputados espanhóis aprovam lei de amnistia para os separatistas da Catalunha

Políticas migratórias dão impulso a Meloni nas europeias