This content is not available in your region

Turismo de Bruxelas acusa pressão de atentados terroristas

Access to the comments Comentários
De  Pedro Sacadura
Turismo de Bruxelas acusa pressão de atentados terroristas

Longe das enchentes habituais de pessoas, o turismo de Bruxelas vive por estes dias tempos complicados, na sequência dos atentados terroristas.

De forma preocupante, a associação hoteleira local revelou que as taxas de ocupação nos hotéis baixaram mais de 50%.

O responsável pelo posto de turismo da capital belga, Patrick Bontinck, espera por melhores dias: “Sabemos, mais ou menos, com o avanço do tempo, que o impacto é valido de seis semanas a três meses depois dos acontecimentos. Foi assim com Paris. Em Bruxelas apenas, o turismo representa 50 mil empregos, cerca de 10% do PIB, o que é bastante. Neste momento, existem medidas para o desemprego económico, mas não existem outras medidas particulares que foram tomadas. As federações estão a negociar com os diferentes governos para encontrar forma de fazer frente a esta situação que será difícil.”

O aparato militar e o ruído das sirenes dos carros da polícia tornaram-se presença constante nas ruas de Bruxelas.

Perante o clima de medo que parece ter-se instalado, os operadores turísticos apelam, sem demoras, para que as autoridades adotem medidas de forma a evitar a perda de milhares de postos de trabalho.

“Vários membros da nossa federação foram proativos. Contataram os clientes que optaram por anulações dizendo que Bruxelas é um lugar seguro e questionando porque não vinham. Naturalmente, os hotéis ao redor do aeroporto estão vazios, mas os que estão localizados no centro da cidade e foram proativos têm um taxa de ocupação de 60-70%. As pessoas estão a voltar”, sublinha Marc Van Muylders, vice-presidente da Federação Hoteleira e de Restauração de Bruxelas.

O cenário fúnebre que paira e que é visível em pontos chave de Bruxelas acabou, no entanto, por atrair autênticas romarias de curiosos locais.