EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Brexit divide País de Gales e Escócia

Brexit divide País de Gales e Escócia
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os britânicos vão dizer sim ou não à União Europeia?

Os britânicos vão dizer sim ou não à União Europeia? O referendo do dia 23 de junho pode mudar a face da Europa. Saiba o que está por detrás do Brexit, através de duas reportagens preparadas na Escócia e no País de Gales.

Para alguns britânicos, a Europa é a escolha segura: oferece um mercado único e livre comércio. Para outros, é burocrática, castradora e abre as portas à imigração.

Será que o Reino Unido se prepara mesmo para se divorciar da União Europeia? As sondagens não permitem vislumbrar um desfecho, mas a possibilidade é bem real. Um afastamento do bloco europeu, composto hoje por 28 países, traria toda uma nova realidade para a Inglaterra, o País de Gales, a Irlanda do Norte e a Escócia.

#Brexitpic.twitter.com/4MDWm7is8m

— Wingz Dessinateur (@WingzDessins) 9 juin 2016

Várias figuras de proa escocesas já vieram dizer que, se o Reino Unido sair, a Escócia vai tentar a independência de novo e a reintegração na Europa.

Deixar a União Europeia implicaria renunciar ao mercado único? A renegociação dos acordos comerciais? E o que aconteceria aos trabalhadores europeus a viver no Reino Unido? A verdade é ninguém parece ter resposta para estas perguntas. A acontecer, o processo de saída pode levar até dois anos a ser negociado.

O Insiders foi até à Escócia (“Escócia: ‘Se sairmos da UE, saímos do Reino Unido’”) e ao País de Gales (“O muro de aço que ameaça separar o País de Gales da Europa”) sentir o pulso dos movimentos a favor e contra o Brexit: quem quer ficar, quem quer sair, e porque motivos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O muro de aço que ameaça separar o País de Gales da Europa

Escócia: "Se sairmos da UE, saímos do Reino Unido"

França depois dos atentados de 2015