EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Comissão Europeia tenta travar concorrência desleal da China

Comissão Europeia tenta travar concorrência desleal da China
Direitos de autor 
De  Isabel Marques da Silva
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Bruxelas apresentou uma nova proposta para proteger a indústria europeia de práticas de concorrência desleal. Uma das mais afetadas é a indústria metalúrgica, que sofre em parte com essas práticas com

PUBLICIDADE

Bruxelas apresentou uma nova proposta para proteger a indústria europeia de práticas de concorrência desleal.

Uma das mais afetadas é a indústria metalúrgica, que sofre em parte com essas práticas com origem na China, produtora de metade do aço do mundo.

O comissário europeu para o Investimento e Competitividade, Jyrki Katainen disse, esta quarta-feira, que “a proposta ajuda a defender melhor os trabalhadores e empresários europeus contra bens com preços abaixo do custo de produção que entram no nosso mercado, mas também permite cumprir os compromissos no âmbito da Organização Internacional do Comércio”.

A proposta será debatida pelos Estados-membros, em novembro, que se mostram divididos, sobretudo por causa dos diferentes tipos de relação que têm com a China a nível bilateral.

Um membro da federação industrial europeia Aegis Europe, Renaud Batier, explica que “a Comissão está a atuar em algo muito importante que é a necessidade de ser forte nas exportações. É uma área muito importante e há países que são extremamente fortes na exportação. Mas não podemos aceitar, por outro lado, que essas exportações se façam à custa de um mercado completamente aberto a práticas desleais”.

O caso da China é o mais preocupante porque deverá ter acesso ao estatuto de economia de mercado em dezembro, o que é criticado pela Comissão Europeia, que acusa ao governo chinês de continuar a interferir na gestão das empresas, nomeadamente com subsídios.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Região russa do Daguestão decreta três dias de luto após ataques que mataram 20 pessoas

UE contorna Hungria e vai enviar 1,4 mil milhões de euros para Ucrânia

Presidente chinês e o seu homólogo polaco encontram-se para colaboração mais profunda