Comissário Oettinger não pede desculpa por comentários polémicos

Comissário Oettinger não pede desculpa por comentários polémicos
De  Isabel Marques da Silva com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O comissário europeu para a Economia Digital Günther Oettinger disse, este domingo, que não vê necessidade de pedir desculpa por comentários pouco fleumáticos que fez num discurso, na quarta-feira pas

PUBLICIDADE

O comissário europeu para a Economia Digital Günther Oettinger disse, este domingo, que não vê necessidade de pedir desculpa por comentários pouco fleumáticos que fez num discurso, na quarta-feira passada, em Hamburgo.

Em causa estão expressões como gente de “olhos em bico” em referência a altos funcionários chineses, e desdém sobre casamentos homossexuais.

Oettinger diz que usou calão, que foi citado fora do contexto, mas que em nenhum caso quis ofender.

O vídeo foi parar à Internet, levantando um coro de críticas, sobretudo na Alemanha, país de origem do comissário.

O porta-voz da Comissão Europeia, Margaritis Schinas, disse que “não estava na sala, apenas vi o vídeo tal como vocês”, durante a habitual conferência de imprensa diária, esta segunda-feira.

“Quanto ao motivo e outras explicações sobre este vídeo, penso que o melhor é ouvir o que Günther Oettinger tem a dizer. Não posso dizer mais nada, é o que é”, rematou Schinas.

Em 2017, Günther Oettinger receberá a pasta do Orçamento e Recursos Humanos, agora nas mãos de Kristalina Georgieva, que se demitiu a 28 de outubro.

“Qualquer um que abertamente espalhe opiniões racistas e homofóbicas fica desqualificado para os mais altos cargos políticos”, disse Katarina Barley, secretário-geral do Partido Social Democrata alemão (no governo em coligação com o CDU de Oettinger), em declarações à revista alemã Der Spiegel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE e Reino Unido chegam a acordo sobre "grandes linhas políticas" relativamente a Gibraltar

"Estado da União": Acórdão sobre clima e acordo sobre migração

Bélgica investiga rede russa suspeita de pagamentos a eurodeputados