EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

União Europeia prepara investimentos em defesa

União Europeia prepara investimentos em defesa
Direitos de autor 
De  Euronews com REUTERS
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Comissão Europeia apoia o aprofundamento dos laços militares entre os estados-membros.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia apoia o aprofundamento dos laços militares entre os estados-membros. Esta a mensagem deixada esta quarta-feira pela Alta Representante da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

A recuperação do dossier da defesa surge após a decisão do Reino Unido de sair da União Europeia e do presidente norte-americano ter revelado dúvidas quanto ao compromisso do seu país com a NATO. De referir ainda que Londres, enquanto membro de pleno direito da UE, havia desde sempre bloqueado maior cooperação militar entre os parceiros europeus.

“Trata-se de maximizar o valor acrescentado que a União Europeia pode fornecer ao estado-membro através de mais cooperação, seja em pesquisa, ou nas capacidades de desenvolvimento, ou através das missões e operações militares e civis da União Europeia” disse Mogherini em Bruxelas.

O projeto-piloto previsto para o período 2017 a 2019 compreende 90 milhões de euros provenientes de fundos próprios do Bloco.

A partir de 2021, o orçamento da defesa poderá atingir 1,5 mil milhões de euros ao ano.

“Vamos utilizar os recursos orçamentais para o financiamento de protótipos, por isso, deve haver um mínimo de três companhias provenientes de dois países que se podem candidatar a recursos e dinheiro para a construção de protótipos”, adiantou Jyrki Katainen, vice-presidente da Comissão Europeia.

O artigo 43 do Tratado de Lisboa prevê a utilização de meios civis e militares por parte da União Europeia em situações de gestão de crise incluindo a luta contra o terrorismo em países terceiros.

Segundo a chefe da diplomacia europeia, o objetivo não seria o de criar um exército europeu mas de potenciar a colaboração entre estados-membros a fim de evitar duplicação e esbanjamento de recursos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como é que Itália vê a abertura de Ursula von der Leyen para cooperar com Meloni?

António Costa já foi ouvido pelo Ministério Público na Operação Influencer

Borrell: UE enfrenta uma escolha "difícil" entre o apoio ao Estado de direito e o apoio a Israel