EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Brexit: UE prepara-se para cenário de não acordo

Brexit: UE prepara-se para cenário de não acordo
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A possibilidade de um Brexit sem acordo com a União Europeia é cada vez maior, pelo que o executivo comunitário aconselhou, quinta-feira, os governos dos Estados-membros a prepararem-se para esse cenário, que pode ter pesadas consequências em alguns setores.

PUBLICIDADE

A possibilidade de um Brexit sem acordo com a União Europeia é cada vez maior, pelo que o executivo comunitário aconselhou, quinta-feira, os governos dos Estados-membros a prepararem-se para esse cenário, que pode ter pesadas consequências em alguns setores.

"Sobre a probabilidade de não haver acordo, penso que está muito claro na comunicação de hoje que nos devemos preparar para ambos os cenários. Estamos a trabalhar muito para ter um acordo sobre a saída do Reino Unido e, claro, precisamos de nos preparar para todas as eventualidades. Foi isso que os líderes também pediram", disse a porta-voz da Comissão Europeia, Mina Andreeva, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

O ministro britânico para o Brexit, Dominic Raab, deslocou-se a Bruxelas, esta semana, para a primeira negociação desde que seu antecessor, David Davis, se demitiu por não concordar com os termos do acordo entre as partes pós-Brexit propostos pela primeira-ministra, Theresa May.

Por seu lado, May deslocou-se à Irlanda do Norte, quinta-feira, a região que sentirá mais agudamente o Brexit por causa da fronteira que partilha com a República da Irlanda, Estado-membro da União.

A chefe do governo britânico sublinhou, quarta-feira, que a ideia de que "nenhum acordo é melhor do que um mau acordo" continua a a ser a sua divisa.

No mês passado, dezenas de milhares de pesosas manifestaram-se em Londres para exigir um novo referendo sobre os detalhes de qualquer acordo que venha a ser concluido pelo governo britânico.

Sem acordo, temem-se dificuldades para os cidadãos e as empresas em vários domínios, tais como os controlos fronteiriços e a transferência de dados, por exemplo.

A Comissão Europeia sublinhou que se o acordo de retirada for ratificado antes de 30 de março de 2019, o direito comunitário deixará de se aplicar ao Reino Unido em 1 de janeiro de 2021, ou seja, após um período transitório de 21 meses cujos termos já haviam decididos entre Buxelas e Londres.

Se o acordo não for ratificado até essa data, não haverá período de transição e a legislação da comunitária deixará de se aplicar em território britânico em 30 de março de 2019.

"Essa hipótese é conhecida como 'cenário sem acordo' ou 'cenário fronteiriço'", disse a Comissão.

Neste caso, portanto, não haveria pactos específicos sobre os cidadãos da União Europeia residentes no Reino Unido e os britânicos que vivem na União. Os outros 27 Estados-membros devem aplicar os regulamentos e tarifas nas fronteiras com o território britânico e o sistema de transportes entre ambas as parte seria "severamente afetado", admite a Comissão.

Na esfera comercial, a relação entre Londres e Bruxelas seria regida pelo direito internacional público, incluindo as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O executivo da UE insistiu que "a preparação para a transformação do Reino Unido em terceiro país é de vital importância, mesmo que a União Europeia e o Reino Unido cheguem a um acordo".

No caso de Gibraltar, fontes comunitárias especificaram que esta questão faz parte do acordo de retirada e que, portanto, uma disposição "específica" não será solicitada em nenhum dos cenários "Brexit".

No que diz respeito aos vistos, a comunicação reconhece que será necessário modificar a legislação para incluir o Reino Unido na lista de países cujos cidadãos não precisam do documento quando entram na União.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bruxelas diz que Brexit causará sempre "ruturas"

Ausência de acordo entre UE e Reino Unido pode ter consequências "grandes", diz Carney

Dirigentes da UE reúnem-se em Bruxelas para decidir cargos de topo. Estes são os principais candidatos