EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Monsanto e glifosato na mira dos legisladores europeus

Monsanto e glifosato na mira dos legisladores europeus
Direitos de autor 
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Advogados norte-americanos prestam informações ao parlamento Europeu

PUBLICIDADE

O gigante norte-americano da agroquímica, Monsanto, regressa à ordem do dia depois de no mês passado ter sido condenado nos Estados Unidos por não ter prestado informações suficientes sobre os riscos associados à utilização do glifosato, substância que se encontra no herbicida Round Up.

A empresa foi condenada a pagar 290 milhões de dólares nos Estados Unidos a um jardineiro que contraiu um tipo de cancro após exposição prolongada ao herbicida.

Dois dos advogados que se ocuparam do caso vieram ao Parlamento Europeu alertar e trazer mais dados aos legisladores europeus.

"O que temos aqui é a ponta do icebergue. De facto, agora temos documentos em nossa posse, várias centenas de documentos, que não foram desclassificados e alguns são explosivos. Alguns estão relacionados com o que a Monsanto fez aqui na Europa. E isto é só o começo", afirmou Robert Jr Kennedy, advogado do gabinete de advocacia Baum, Hedlund, Aristei & Goldman.

Para além da batalha ambiental, o caso Monsanto é igualmente uma questão de transparência. Para o eurodeputado ecologista belga, Bart Steas, a batalha dos advogados norte-americanos é uma batalha em prol da democracia.

"Eles lutam para obter mais democracia e transparência assim como compreender como uma grande corporação com a Monsanto age e tenta manipular os factos", disse Bart Staes, eurodeputado dos Verdes e relator do comité PEST.

Os trabalhos realizados pelos advogados norte-americanos podem agora ser utilizados pela comissão do parlamento europeu criada em fevereiro deste ano para se debruçar sobre o glifosato, a substância química utilizada no herbicida Round Up.

A comissão do parlamento europeu encarregada dos pesticidas tem nove meses para avaliar o procedimento para autorização dos pesticidas na União Europeia, a sua independência relativamente à indústria, a transparência do processo de decisão, os meios implementados assim como propostas concretas para melhorar o protocolo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia recomenda uso de herbicida glifosato por mais 10 anos

Violação grave das regras europeias no uso de substâncias químicas

Estudos sobre Glifosato serão tornados públicos