UE debate envio de missão militar para a Líbia

Josep Borrell, chefe da diplomacia da UE
Josep Borrell, chefe da diplomacia da UE Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) reúnem-se, segunda-feira, em Bruxelas, para debater o conflito na Líbia, a tensão com o Irão, a segurança na região do Sahel e a chamada diplomacia climática.

PUBLICIDADE

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) reúnem-se, segunda-feira, em Bruxelas, para debater o conflito na Líbia, a tensão com o Irão, a segurança na região do Sahel e a chamada diplomacia climática.

À chegada para a reunião, o chefe da diplomacia comunitária, Josep Borrell, congratulou-se com os avanços na cimeira sobre a Líbia, que decorreu, domingo, em Berlim (Alemanha), no sentido de haver uma trégua e reiterou que "a UE deve ponderar enviar uma missão militar para supervisionar a trégua".

"Há várias possibilidades, mas um cessar-fogo tem de ser supervisionado. Não se pode anunciar um cessar-fogo e depois esquecer-se dele. É preciso também controlar o embargo de armas. Há muitas possibilidades em cima da mesa e os ministros vão decidir o que fazer por forma a implementar o acordo obtido ontem", disse Borrell.

Uma trégua intermediada no início deste mês, pela Rússia e pela Turquia, marcou a primeira interrupção nos combates em meses, mas houve repetidas violações.

Entre os que participaram na cimeira de Berlim, estavam o presidente russo, Vladimir Putin, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, o presidente francês, Emmanuel Macron, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

Os participantes chegaram a acordo para "respeitar o embargo de armas e que o embargo de armas será mais fortemente controlado do que no passado '', disse a chanceler alemã, Angela Merkel, que presidiu à cimeira, acrescentando que os resultados da conferência devem ser endossados ​​pelo Conselho de Segurança da ONU.

Os dois principais líderes rivais da Líbia, o primeiro-ministro Fayez Sarraj e o general Khalifa Hifter, nomearam cinco membros de um comité militar que os representará nas conversações sobre um cessar-fogo mais permanente, disse Merkel.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que o comité seria convocado ``"em Genebra nos próximos dias ''.

Acordo com o Irão em debate

Outro tema importante na agenda é o acordo nuclear com o Irão. França, Alemanha e Reino Unido acionaram um mecanismo de resolução de diferendos, na semana passada, para forçar o país a cumprir o acordo.

Borrell vai explicar os detalhes da reunião que teve, quinta-feira passada, com o ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif.

Já esta segunda-feira, soube-se que Mohammad Javad Zarif cancelou a viagem para participar no Fórum de Davos, anunciou fonte oficial diplomática iraniana através da a agência de notícias estatal IRNA.

O porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Abbas Mousavi, explicou que as autoridades do fórum mudaram os planos sobre a participação de Zarif, o que levou o diplomata a cancelar sua viagem.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes internacionais comprometem-se a não vender armas à Líbia

Quase 120 migrantes em fuga da Líbia resgatados em alto mar

Cólera dos agricultores em Espanha e França está para durar