EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Consumidores europeus terão apenas um carregador

Consumidores europeus terão apenas um carregador
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Joao Duarte FerreiraBryan Carter
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Parlamento Europeu aprovou resolução que pede à Comissão Europeia para regulamentar carregadores electrónicos

PUBLICIDADE

Um carregador para todos os telemóveis independentemente da marca ou modelo. È isso que a União Europeia quer.

Esta quinta-feira, o parlamento europeu aprovou com grande maioria uma resolução que apela à comissão para agir em conformidade.

Para este eurodeputado a medida vai beneficiar os consumidores.

"Não vamos regulamentar o carregador propriamente dito mas sim a chamada porta de entrada que todos os telemóveis têm, assim como outros dispositivos de tamanho pequeno e médio tais como tablets, e-books e câmeras digitais. O que estamos a fazer é tentar padronizar a porta de entrada" afirma o eurodeputado maltês Alex Agius Saliba, dos Socialistas e Democratas.

Há dez anos, existiam cerca de 30 carregadores diferentes no mercado. Agora existem apenas três.
O eurodeputado afirma que é igualmente importante reduzir os resíduos electrónicos.

"Com o novo carregador comum, estaremos a ajudar o meio-ambiente. Todos os anos produzimos cerca de 51 mil toneladas de lixo electrónico só em carregadores", adianta Alex Agius Saliba.

Alguns fabricantes como é o caso da Apple criticam a opção da União Europeia afirmando que vai restringir a inovação.

No entanto, para a organização de defesa do consumidor BEUC, um carregador universal poderá ter um impacto positivo nos consumidores em toda a Europa.

"Sempre que compramos um produto que precisa de ser carregado, esse produto traz um carregador. A questão é: ninguém pergunta ao consumidor se ele quer um novo carregador, ninguém lhe pergunta se ele precisa de um carregador e provavelmente também vai pagar mais por isso" acrescenta Drederico da Silva, diretor jurídico da BEUC.

O parlamento vai aguardar pelas propostas da Comissão Europeia.

Tudo sugere que a nova legislação venha a ser aprovada no verão.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Breves de Bruxelas": Memórias de Dijsselbloem, Jo Cox, Jeremy Corbyn e Sakharov

"Breves de Bruxelas": modelo Noruega para Brexit, Grécia e Ryanair

"Estado da União": Novo impasse no Brexit e aposta no Egito para migração