EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Tusk considera imoral poder obtido por PM da Hungria

Tusk considera imoral poder obtido por PM da Hungria
Direitos de autor Peter Morrison/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Peter Morrison/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
De  Isabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente do Partido Popualr Europeu, DonaldTusk, considera imoral o poder obtido pelo primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, para lidar com a pandemia da Covid-19. Tusk gostaria que o partido Fidesz, liderado por Orbán, fosse expulso daquela família de partidos europeus de centro-direita.

PUBLICIDADE

Deixou o cargo de presidente do Conselho Eurpeu, há poucos meses mas, no cargo de presidente do Partido Popular Europeu (PPE), Donald Tusk continua a batalha contra a deriva autoritária em alguns Estados-membros da União Europeia, no caso a Hungria.

Numa carta, escreveu que muitos membros do PPE - que reúne os partidos de centro-direita europeus - estavam contra a expulsão do partido Fidezs, liderado pelo primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, mas que, em breve, terão de "reconsiderar essa posição".

Tusk considerou "imorais" as medidas extraordinárias tomadas por Orbán para lidar com a pandemia da Covid-19.

O primeiro-ministro húngaro ficou com poder praticamente absoluto, e sem limite temporal, depois de aprovada, esta segunda-feira, nova legislação sobre o estado de emergência no país, que tem das mais baixas taxas de infeção por Covid-19 na União Europeia.

O processo para a expulsão do Fidesz do PPE arrasta-se há muito tempo, mas poderá ter chegado o momento do centro-direita decidir se este partido respeita os valores democráticos e os princípios da União Europeia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Oposição impede Viktor Orbán de obter mais poderes

Viktor Orbán pede a Putin para normalizar relações com a NATO

Reconhecimento do Estado da Palestina é único caminho para a paz, diz primeiro-ministro da Irlanda