EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Donohoe sucede a Centeno no Eurogrupo

Donohoe sucede a Centeno no Eurogrupo
Direitos de autor EBS
Direitos de autor EBS
De  Nara Madeira com AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro das Finanças da Irlanda sucede ao português Mário Centeno na presidência do Eurogrupo.

PUBLICIDADE

Paschal Donohoe é o novo presidente do Eurogrupo. O ministro das Finanças da Irlanda, de centro-direita, tem pela frente um mandato de dois anos e meio e a gigantesca tarefa de liderar a recuperação económica da Europa num contexto de pandemia de covid-19 e depois dela, espera-se:

"Para mim, a prioridade imediata é assumir um papel construtivo como presidente do Eurogrupo e tentar facilitar o tipo de decisões que precisam ser tomadas rapidamente para nos permitir responder à grande crise que é a Covid-19", frisou Donohoe.

O recém-eleito líder dos ministros das finanças da Zona Euro derrotou a espanhola Nadia Calviño, que até contava com o apoio de Alemanha e França, e o liberal luxemburguês, Pierre Gramegna, que acabou por abandonar a corrida no final na primeira volta.

Donohoe - que enfrentou situações de crise no seu país, entre o risco de um Brexit sem acordo que pairou até ao final do ano passado - assumirá o cargo a 13 de julho sucedendo a Mário Centeno que abandonou a pasta das Finanças de Portugal.

*O homem que pôs a Irlanda "na linha"*

Aos 45 anos, quase 46, Paschal Donohoe é conhecido por ter posto ordem nas finanças públicas irlandesas, após uma grave recessão. Mas ele é também o homem, de entre os três candidatos ao cargo, com menos experiência nas lides europeias.

O militante do Fine Gael ocupa-se das Finanças irlandesas desde 2017 e foi o responsável pelo primeiro excedente orçamental do seu país desde a crise financeira de 2008.

Mas Donohoe poderá ser também a "pedra no sapato" de alguns, no seio do bloco forte europeu, por ser contra o aumento dos recursos financeiros da Europa e da aplicação de um imposto digital sobre os gigantes da Internet. Até porque isso iria contra os interesses do seu país, que alberga muitos dos gigantes tecnológicos dos EUA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eurogrupo escolhe líder entre socialista, liberal e conservador

Presidente do Eurogrupo garante que mercados reagiram bem às medidas da UE

Mário Centeno deixa governo português e Eurogrupo