EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Redução de emissões poluentes deverá ser contestada no leste

Redução de emissões poluentes deverá ser contestada no leste
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaJack Parrock
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os Estados-membros da União Europeia mais dependentes do carvão como fonte de energia, nomeadamente os do leste europeu, e em particular a Polónia, deverão opor-se à nova meta.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia explicou, quinta-feira, os detalhes da estratégia mais ambiciosa para travar as alterações climáticas, através de Frans Timmermans, vice-presidente executivo, em conferência de imprensa, em Bruxelas.

"A meta de reduzir as emissões poluentes em pelo menos 55% até 2030 vai permitir-nos, e aos nosso filhos,, encontrar o caminho para atingir a neutralidade dessas emissões. A meta dá mais confiança aos investidores e estabelece um calendário claro para os setores que terão de fazer a transição energética", disse Frans Timmermans.

No discurso sobre o Estado da União, na véspera, a presidente do executivo europeu, Ursula Von der Leyen, disse que em vez de apenas 40%, como está em vigor, a redução dos gases com efeito de estufa deve ser de 55%, na comparação com o nível de emissões registado em 1990.

A União Europeia tenta cumprir, assim, os objetivos do Acordo de Paris, que visa travar o aquecimento global.

Na prática, serão financiados projetos nas áreas da habitação, transportes, energias renováveis e reflorestação, entre outras, com ajuda do novo orçamento da União para os próximos sete anos.

“Financeiramente existe um respaldo, economica e tecnologicamente é viável fazê-lo em toda a União. Penso que foi uma mensagem muito clara de que os países que enfrentam maiores desafios nesta área também poderão cumprir a meta", afirmou Klaus Röhrig, ambientalista  na Rede de Ação Climática Europeia.

Contudo, os Estados-membros mais dependentes do carvão como fonte de energia, nomeadamente os do leste europeu, e em particular a Polónia, deverão opor-se à nova meta. 

Esses governos já consideram a atual meta um desafio muito grande e com um impacto negativo nas suas economias, com dificuldade em se adaptarem num prazo tão curto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cimeira da UE debate eventual não acordo no Brexit

Jovens portugueses colocam 33 países em Tribunal

A Sibéria está quente e verde. "Estamos a usar t-shirts, porque estão 25 graus"