EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Chipre diz que não quebrou consenso sobre Bielorrússia

Chipre diz que não quebrou consenso sobre Bielorrússia
Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Isabel Marques da SilvaEfi Koutsokosta
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

"De forma alguma nos opomos à adopção de medidas contra o regime na Bielorrússia", disse Nikos Christodoulides, ministro dos Negócios Estrangeiros de Chipre em entrevista à euronews.

PUBLICIDADE

O Chipre impediu o consenso no conselho de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia sobre sanções contra o regime da Bielorrússia. No final da reunião, segunda-feira, em Bruxelas, o chefe da diplomacia cipriota, Nikos Christodoulides, concedeu uma entrevista à euronews.

Efi Koutsokosta/euronews: O Chipre foi o protagonista daquilo que acabou sendo visto como um veto à aprovação de sanções contra a Bielorrússia, algo que dominou o debate, em Bruxelas. Como é que responde a essa forma de descrever a atuação do seu governo?

Nikos Christodoulides/ministro dos Negócios Estrangeiros de Chipre: No conselho informal dos Negócios Estrangeiros, no final de agosto, em Berlim, após uma longa discussão sobre a crise na Bielorrússia e as atividades ilegais da Turquia na Zona Económica Exclusiva cipriota, foi decidido que as propostas de sanções relativas à Bielorrússia e as propostas de sanções contra a Turquia, que o governo cipriota apresentou em junho, deveriam continuar a ser tratadas em paralelo, com vista à sua adoção imediata.

Na verdade, durante o debate, Chipre foi um dos países que apoiou a adoção de sanções setoriais contra todos os envolvidos nos acontecimentos ocorridos na Bielorrússia.

Logo, está claro que a República de Chipre apoia as sanções contra Bielorrússia e não fez uso de veto, nem de nada parecido. De forma alguma nos opomos à adopção de medidas contra o regime na Bielorrússia. Na verdade, durante o debate, Chipre foi um dos países que apoiou a adoção de sanções setoriais contra todos os envolvidos nos acontecimentos ocorridos na Bielorrússia.

Efi Koutsokosta/euronews: Mas insiste que dará luz verde às sanções contra o regime na Bielorrússia, incluindo contra o presidente Lukashenko, apenas quando avançarem as sanções contra aTurquia por causa das ações nas águas territoriais de Chipre ?

Nikos Christodoulides/ministro dos Negócios Estrangeiros de Chipre: Insistimos na implementação do acordo político alcançado em Berlim. Não estamos a condicionar as sanções e sublinho-o porque não se trata de uma posição específica de Chipre. O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, também disse o mesmo, publicamente, no Parlamento Europeu, e perante os representantes permanentes (embaixadores para a União Europeia) dos Estados-membros, apelando a todos os países para que implementem o acordo alcançado em Berlim.

Efi Koutsokosta/euronews: A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que os Estados-membros devem acelerar o processo de tomada de decisão , nomeadamente nalgumas questões de política externa em que a votação deveria ser por maioria qualificada em vez de unanimidade, como é o caso agora. O senhor concorda?

Nikos Christodoulides/ministro dos Negócios Estrangeiros de Chipre: Aquilo que deve ser primordial na tomada de decisões é o interesse europeu e não o interesse nacional de alguns Estados. Se não determinarmos primeiro qual é o interesse da União Europeia, será muito difícil para Chipre e para muitos outros Estados-membros aceitarem que a votação por maioria qualificada deve passar a ser usada para tomar decisões em política externa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grécia disposta a negociar com a Turquia

UE prepara medidas contra Turquia por causa do gás

UE: Le Pen, Wilders e aliados debatem formação de supergrupo de extrema-direita