EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Comissão Europeia propõe plano anti-covid para o inverno

Comissão Europeia propõe plano anti-covid para o inverno
Direitos de autor Christophe Ena/AP
Direitos de autor Christophe Ena/AP
De  Joao Duarte Ferreira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissária europeia da saúde alerta para os perigos de baixar a guarda na luta contra a Covid-19

PUBLICIDADE

À medida que aumentam os preparativos para as férias do Natal, também aumentam os receios de uma nova vaga de infeções devido às celebrações familiares tradicionais nesta época.

É por essa razão que a Comissão Europeia quer que os estados-membros mantenham as medidas anti-pandemia durante todo o inverno até à distribuição de uma vacina.

"Se não tivermos cuidado, se não praticarmos a auto-contenção e a disciplina, se baixarmos a guarda rapidamente, se não usarmos este período de maior estabilidade para nos prepararmos, teremos mais casos, mais mortes e mais confinamentos. Isto foi o que aconteceu em julho e aplica-se agora. Desta feita podemos fazer as coisas de forma diferente" alerta Stella Kyriakides, comissária europeia para a saúde e segurança alimentar.

A estratégia para o inverno avançada pela Comissão Europeia inclui medidas como:

- Manter o distanciamento social

- Um sistema europeu de rastreamento

- Uma abordagem comum para a certificação de vacinas.

No entanto, a União Europeia não tem autoridade em matérias de saúde.

Isto significa que a Comissão Europeia depende dos governos nacionais para a aprovação destes planos e, mais importante, a sua implementação.

Apesar dos esforços, a coordenação relativamente à pandemia não é uma área em que a Europa tenha tido muito sucesso.

A Alemanha, a França e a Itália querem as estâncias de esqui fechadas em todo o continente.

No entanto, a Áustria discorda pois uma grande parte da economia assenta nesta indústria.

É por isso que para este eurodeputado socialista húngaro, as estâncias de esqui deviam receber indemnizações pelo encerramento.

"O covid-19 afetou as vidas de milhões de trabalhadores nos últimos três meses. Sabemos que a vida humana vem primeiro, por isso nos países em que as estâncias não podem abrir os governos nacionais e a UE deviam abrir os bolsos para ajudar", adianta o eurodeputado István Ujhelyi, vice-presidente do comité para os transportes (TRAN).

E há ainda a questão das vacinas. 

A UE afirma que as primeiras vacinas só estarão disponíveis no início de janeiro, no entanto o Reino Unido vai iniciar as campanhas de vacinação já na próxima semana, uma decisão que Bruxelas critica pela excessiva rapidez.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa prepara campanha de vacinação em massa

Comissão quer criar União Europeia da Saúde

Eurodeputados pedem mais verbas para "União Europeia para a Saúde"