EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Europa prepara campanha de vacinação em massa

Europa prepara campanha de vacinação em massa
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

À espera da luz verde da Agência Europeia do Medicamento, os 27 definem estratégias e prioridades

PUBLICIDADE

Europa prepara-se para a mais complexa campanha de vacinação. Um a um vão sendo conhecidos os planos de cada país. Os 27 aguardam pela avaliação das vacinas contra a Covid-19 que já concluíram a fase de testes, mas querem estar prontos para arrancar a campanha assim que houver luz verde da Agência Europeia do Medicamento.

A França quer começar por vacinar os mais velhos, já em janeiro. O primeiro milhão de vacinas destina-se aos residentes em lares. Um mês depois, já conta imunizar outros grupos prioritários.

"À medida que as remessas vão chegando, vamos aumentar o perímetro da vacinação. Começamos pelos quase 14 milhões de pessoas com fatores de risco, por causa da idade ou doenças crónicas, e alguns profissionais de saúde. Será a fase dois da nossa estratégia, que deve começar em fevereiro e prolongar-se até à primavera. Por fim, conforme anunciou o Presidente da República, vamos alargar progressivamente a vacinação a toda a população. Será a fase três da nossa estratégia," revelou esta quinta-feira o primeiro-ministro francês, Jean Castex.

"Proteger quem nos pode proteger"

Em Portugal, a campanha de vacinação vai ser centralizada e a prioridade vai ser dada aos mais velhos aos profissionais de saúde e das forças de segurança.  "Em primeiro lugar, vamos proteger quem nos pode proteger, ou seja, os profissionais de saúde, os trabalhadores dos lares, as Forças Armadas e forças de segurança, aqueles que são fundamentais em todos os serviços essenciais", justificou o primeiro-ministro português acrescentando que, logo a seguir estão "as populações mais vulneráveis, seja por fator etário, seja por comorbidades associadas", ambos grupos de risco. 

Ao todo quase um milhão de pessoas a vacinar até abril. António Costa sublinha que o plano de vacinação apresenta "quatro marcas fundamentais: Será universal, facultativo (como é tradição), gratuito, e distribuído a toda a população de acordo com os critérios de prioridade definidos técnica e cientificamente e politicamente também validados".

Na ONU, António Guterres moderou o optimismo à volta das vacinas. Diz o secretário-geral das Nações Unidas que o impacto da pandemia não vai desaparecer tão cedo, sobretudo nos países mais pobres.

"As vacinas podem ficar disponíveis nas próximas semanas e meses, mas não nos enganemos: a vacina não vai apagar os estragos que vão fazer-se sentir nos próximos anos, ou mesmo décadas," afirmou na abertura da sessão extraordinária da Assembleia Geral da ONU para tratar da resposta à pandemia.

António Guterres volta a insitir que as vacinas sejam declaradas um bem público global e distribuídas em todo o mundo e criticou a gestão da pandemia feita por alguns governos, ignorando as orientações da Organização Mundial de Saúde que deveriam ter sido a base para uma resposta à escala global.

Sem mencionar especificamente nenhum Estado, Guterres alertou que quando alguns países decidem seguir um caminho próprio, o vírus espalha-se em todas as direções.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

EUA sem conseguir travar Covid-19

Guerra à Covid-19 na UE: Diferenças entre as vacinas

Comissão Europeia propõe plano anti-covid para o inverno