EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Comissão Europeia já pode angariar fundos nos mercados

Comissão Europeia já pode angariar fundos nos mercados
Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Comissão Europeia já pode angariar fundos nos mercados. Todos os estados-membros da UE já completaram o processo parlamentar sobre os recursos próprios

PUBLICIDADE

Os votos da Áustria e Polónia completaram o processo parlamentar dos 27 estados-membros relativo às decisões de recursos próprios.

Cabe agora à Comissão Europeia dirigir-se aos mercados e angariar fundos em nome dos governos europeus.

A Comissão confirmou que 21 estados-membros já entregaram os planos de recuperação nacional.

Quem completou o processo até ao final de abril receberá a avaliação da Comissão Europeia até ao final de junho.

"Uma vez validado o plano, a comissão necessita de validar vários documentos, o acordo de empréstimo, o acordo de financiamento respetivo com os vários estados-membros. Uma vez tudo assinado e tal como previsto na regulação, a Comissão efetuará o primeiro pagamento de pré-financiamento de 13% dentro de dois meses. Isto quer dizer que os primeiros pagamentos irão certamente começar em julho", afirma Marta Wieczorek, porta-voz da Comissão Europeia.

Este ano, o pré-financiamento para toda a União Europeia alcança cerca de 44 mil milhões de euros.

O resto será pago em prestações consoante os projetos e reformas previstas nos planos sejam verificados assim como a sua conclusão.

"É extremamente importante que existam controlos significativos porque se trata de dinheiro europeu e o que a UE não pode permitir é o esbanjamento de fundos que acabam por cair nas mãos erradas ou na corrupção", afirma Guntram Wolff, diretor do Instituto Bruegel.

A proposta financiada pela Europa requer que os governos gastem 37% dos fundos recebidos na redução das emissões de dióxido de carbono e 20% na digitalização das economias.

Mas claro que para tal acontecer são necessárias reformas.

"Existe aqui uma verdadeira oportunidade para modernizar a economia europeia. Estou muito satisfeito com os planos que vi da Itália mas também da Grécia. Penso que se tratam de planos sérios que querem modernizar e melhorar o desempenho da administração pública em particular e isso é um aspeto importante. É claro que se tratam de planos e agora é preciso implementá-los e isso nem sempre é fácil", acrescenta Guntram Wolff.

Quaisquer alterações aos planos já aprovados podem ser feitas em fase posterior no entanto terão que ser submetidas de novo ao processo europeu de aprovação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Transição digital é parte fulcral no Plano Europeu de Recuperação

Comissão prevê recuperação total da economia em 2022

Itália apresenta plano de recuperação da economia