EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Passageiros denunciam falhas de coordenação com certificados digitais

Passageiros denunciam falhas de coordenação com certificados digitais
Direitos de autor ERIC LALMAND/AFP
Direitos de autor ERIC LALMAND/AFP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Certificado Digital COVID da UE entrou oficialmente em vigor a 1 de julho para facilitar a circulação no bloco comunitário

PUBLICIDADE

O Certificado Digital Covid da UE entrou em vigor há mais de três semanas. Os passageiros do bloco comunitário já estão a usá-lo para viajar, mas a normalidade, em termos de mobilidade e turismo, está longe de ser real.

No aeroporto de Zaventem, em Bruxelas, onde a Euronews esteve a acompanhar as operações de controlo antes das partidas, muitos passageiros mostraram-se confusos.

Existe um certificado de viagem, mas os Estados-membros ainda estão a estabelecer regras diferentes para os viajantes.

A Alemanha, por exemplo, restabeleceu a quarentena para alguns países. Por outro lado, a experiência da ilha grega livre de Covid-19 não está a atingir os resultados desejados e muitos países continuam a solicitar o preenchimento do Formulário de Localização de Passageiros (PLF). Circunstâncias que agravam a incerteza para as companhias aéreas.

"Temos problemas realmente grandes na verificação dos certificados. Cada Estado é responsável por produzir determinados protocolos para a forma como os certificados são verificados. Posso afirmar que, a partir de uma pesquisa rápida feita, num conjunto de 30 países existem 15 maneiras diferentes de verificar os certificados", lamenta, Michael Harrington, diretor-geral da Representação Internacional das Companhias Aéreas na Europa (AIRE).

Alguns eurodeputados denunciam a falta de coordenação. Os erros, lembram, podem sair caros.

"A falta de coordenação foi um dos grandes problemas que a União Europeia teve para abordar ou tentar minimizar o impacto da pandemia na economia. Se tivéssemos tido mais coordenação desde o início, provavelmente teríamos conseguido minimizar este impacto de uma forma mais solvente para a própria indústria e para a economia europeia. Penso que se agiu tarde, de forma desordenada, mas é importante saber que se atuou, que a Comissão Europeia fez o que era necessário e o Parlamento Europeu também e que os Estados-membros têm de aprender que a colaboração é fundamental", ressalva o eurodeputado espanhol Pablo Arias Echeverría, do grupo do Partido Popular Europeu.

Com a chegada da variante Delta e o aumento de casos em vários territórios, alguns países estão novamente a mudar a abordagem de contenção do vírus.

O resultado traduz-se em confusão e exasperação dos viajantes e do setor de turismo em geral. Os cancelamentos multiplicam-se e milhões de empregos continuam em risco.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Europa luta contra nova vaga de covid-19

Ucrânia precisa de reforçar defesa aérea, alerta ministra dos Negócios Estrangeiros da Alemanha

Renew Europe vai votar a expulsão do partido holandês VVD a 10 de junho