This content is not available in your region

Inflação: uma dor de cabeça para os europeus

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Inflação: uma dor de cabeça para os europeus
Direitos de autor  ANNE-CHRISTINE POUJOULAT/AFP

Depois de vários anos de inflação muito baixa, o aumento dos preços atingiu o nível mais elevado em 13 anos.

Há apenas alguns meses atrás, houve alguns sinais de aviso. Atualmente, a inflação domina os títulos dos jornais e os alarmes soaram em todo o mundo, já que em janeiro se bateram vários recordes, inclusivamente na zona euro.

A inflação revela um aumento no nível de preços dos bens e serviços que as famílias compram.

Os preços no consumidor na zona do euro aceleraram para um recorde de 5,1% em janeiro, de acordo com os dados mais recentes do Banco Central Europeu, desafiando as expectativas de desaceleração.

Quais são as causas?

A inflação foi impulsionada principalmente pela energia e, em segundo lugar, pela alimentação.

Em janeiro, os preços da energia na zona do euro subiram para um recorde de 28,6% em relação ao período homólogo. Já o preço dos alimentos não processados ​​acelerou para 5,2%.

Os preços dos serviços continuaram a subir 2,4%, enquanto o crescimento dos preços dos bens desacelerou para 2,3%.

As mudanças relacionadas com a pandemia podem ajudar a obter algumas respostas.

As economias europeias reabriram à medida que mais e mais restrições foram sendo levantadas.

As pessoas começaram a viajar novamente e a frequentar restaurantes. Estão a comprar mais e a gastar dinheiro que não usaram durante os confinamentos por causa da pandemia de Covid-19.

Mas a logística não se está a mover no mesmo ritmo.

As empresas estão a ter dificuldades em acompanhar o rápido aumento da procura à medida que reconstroem as cadeias de abastecimento que foram gravemente atingidas pela pandemia.

Desafios como a escassez de contentores significam que o transporte de mercadorias se tornou mais difícil e mais caro. Quanto mais tempo essas dificuldades persistirem, maior será a probabilidade de os custos serem transferidos das empresas para os clientes, que terão de pagar mais.

O petróleo, o gás e a eletricidade também se tornaram mais caros em todo o mundo.

Os preços dispararam porque a produção de petróleo e gás ficam aquém do aumento da procura por parte dos consumidores após a pandemia.

De acordo com o Banco Central Europeu, como grande parte dos custos das empresas e das pessoas estão relacionados com a energia, o preço do petróleo, do gás e da eletricidade é muito importante para a inflação global: metade do aumento recente da inflação deveu-se aos preços mais elevados da energia

Até quando?

A Comissão Europeia antecipou, esta quinta-feira, que a pressão da inflação deve cair no próximo ano.

“Depois de atingir uma taxa recorde de 4,6% no quarto trimestre do ano passado, a inflação na zona euro deverá atingir um pico de 4,8% no primeiro trimestre de 2022 e manter-se acima de 3% até ao terceiro trimestre do ano”, avançou o executivo comunitário em comunicado.

“À medida que as pressões das restrições de oferta e dos altos preços da energia desaparecem, a inflação deve cair para 2,1% no último trimestre do ano, antes de ficar abaixo da meta de 2% do Banco Central Europeu ao longo de 2023”, acrescentou a Comissão Europeia.

Mas a incerteza mantém-se, até porque as perspetivas económicas gerais da Europa também dependem de tensões geopolíticas, como as que se verificam entre a Ucrânia e a Rússia, a par da evolução da pandemia em todo o mundo.

Thomas Wieser, um economista americano-austríaco que atuou como presidente do Grupo de Trabalho do Eurogrupo durante os anos difíceis da crise financeira, explicou à Euronews que é realmente difícil prever quando é que a inflação cairá realmente abaixo da meta estabelecida pelo Banco Central Europeu.

“Não sabemos. A nossa situação é melhor do que no Reino Unido ou nos EUA, por exemplo, onde as fontes de inflação dos EUA são parcialmente diferentes do que o que temos na zona do euro, especialmente porque o estímulo fiscal sobre a economia já em crescimento foi muito, muito maior do que o que se fez na Europa. Em segundo lugar, não temos ideia de quando é que os problemas da cadeia de abastecimento começarão a desaparecer. Há razões para esperar que na segunda metade do ano isso seja muito melhor. Em terceiro lugar, o reequilíbrio da procura entre bens e serviços na nossa economia só começará a aumentar quando a grande maioria das restrições, incluindo restrições de viagens, for levantada. Podemos estar otimistas para o segundo semestre do ano, mas ninguém sabe. E em quarto lugar, não sabemos até que ponto é que uma espiral autossustentável de preços e salários se pode desenvolver. Se essas coisas derem certo, acho que temos motivos para estar otimistas de que a inflação atingirá o pico muito em breve, que de fato recuará depois para ficar mais perto da meta do Banco Central Europeu”.

Como enfrentar a crise?

Referindo-se aos riscos crescentes da inflação, a presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, não descartou, no início deste mês, a possibilidade de um aumento das taxas de juros no final de 2022. Disse que uma reunião a 10 de março será crucial para decidir com que rapidez é que o Banco Central terminará a sua compra de títulos de longo prazo como um suporte de crise pandémica para a economia.

“Se a inflação continuar, acho que há razões para retirar os estímulos muito em breve ao longo de 2022”, referiu o economista Thomas Wieser, acrescentando que “a inflação é má para quem poupa. A inflação é má para aqueles que têm rendimentos nominais fixos ou bastante estáveis, e isso inclui muitas pessoas com planos de pensões e assim por diante. Não é apenas o Banco Central que tem a tarefa de conter ou de impedir o endurecimento dos dados em torno dos níveis atuais de inflação. Também faz parte do setor empresarial olhar para os aumentos de preços, como parte dos sindicatos em negociações salariais.”

Mas como as famílias mais pobres são as mais afetadas, Guntram Wolff, diretor do think-Tank Bruegel, com sede em Bruxelas, disse à Euronews que são necessárias medidas mais corajosas por parte dos decisores políticos. “O que os legisladores podem fazer é, claro, dar apoio a essas famílias. Eu diria que o apoio não deve ser um corte no imposto sobre o valor acrescentado da energia, mas sim uma transferência definitiva para que tenham mais poder de compra. Mas ainda queremos que o sinal de preço funcione, então queremos que as famílias, de certa forma, tentem estar conscientes do seu consumo de energia e reajam ao sinal do preço. Mas acho que são necessárias transferências para as famílias pobres”.

Enquanto os especialistas estão monitorizar a situação na Europa e no mundo, está bem claro que, como a pandemia não atingiu todos os países igualmente, esse também é o caso da inflação.

O debate sobre como avançar para a era pós-pandemia não será fácil. Acaba de arrancar com uma sombra de ameaças geopolíticas e financeiras.