EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UE prepara posição para cimeira do clima no Egito

Alguns dos países que aumentaram o consumo do carvão, devido à guerra na Ucrânia, foram a Alemanha e a Itália
Alguns dos países que aumentaram o consumo do carvão, devido à guerra na Ucrânia, foram a Alemanha e a Itália Direitos de autor Martin Meissner/copyright 2021 The AP
Direitos de autor Martin Meissner/copyright 2021 The AP
De  Méabh Mc MahonIsabel Marques da Silva
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na reunião de 2021, os participantes na COP26 (Glasgow, na Escócia) prometeram baixar o consumo de carvão, incuindo grandes utilizadores como a China e a Índia.

PUBLICIDADE

A União Europeia (UE) debateu qual será a sua posição para a cimeira do clima COP27, que começará a 6 de novembro, no Egito.

A guerra na Ucrânia criou uma séria crise energética, mas os ministros do Ambiente dizem que não se podem atrasar os esforços para diminuir, rapidamente, a utilização de combustíveis fósseis muito poluentes, tais como o carvao.

O consenso na reunião, no Luxemburgo, segunda-feira, é que qualquer aumento deve ser temporário, segundo Teresa Ribera, ministra para a Transição Ecológica, de Espanha: "Necessitamos de alguma flexibilidade a curto prazo. Alguns países estão, novamente, a aumentar o consumo de carvão e gás, mas é absolutamente temporário e por razões de segurança energética".

"Uma importante conclusão que tirámos da guerra é que precisamos de acelerar a nossa transição energética. Mesmo que utilizemos um pouco mais de carvão, atualmente, vamos progredir rapidamente na transição energética. O ritmo de redução das emissões poluentes será mais rápido do que no passado", garantiu, por seu lado, Frans Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia.

Na reunião de 2021, os participantes na COP26 (Glasgow, na Escócia) prometeram baixar o consumo de carvão, incuindo grandes utilizadores como a China e a Índia.

Portugal já não usa carvão, mas os governos da Alemanha, Áustria, Itália e Países Baixos foram alguns dos que voltaram a aumentar o consumo.

Sinal errado para o mercado

Um sinal que pode desencorajar o setor privado de contribuir para a redução de emissões poluentes, de acordo com Laurent Babikian, analista do CDP Europe: "Penso que é, obviamente, uma má notícia". 

"Se queremos diminuir a temperatura média, devemos parar de queimar carvão e petróleo. Quanto mais carvão queimarmos, mais aumentaremos a temperatura e mais esforço será necessário para inverter a curva ascendente. Foi preciso ter uma guerra para mostrar que a Europa tem de ter um melhor planeamento e aposta nas energias renováveis, e espero tal seja acelerado", disse o analista que trabalha na organização não-governamental, destinada a aumentar a atenção dos mercados financeiros para o impacto das decisões de investimento no clima.

A UE vai ter, também, de definir a contribuição para o financiamento de medidas de adaptação para os países menos desenvolvidos, mas muito afetados por catástrofes climáticas, sob cada vez maior pressão do movimento ambientalista popular mundial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de pessoas participaram numa marcha pelo clima em Bruxelas

Países africanos prepararam na RD Congo participação na Cop 27 do Egito

Crise do gás: Alemães compram carvão para combater frio do inverno