EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Auditores criticam controlo deficiente das despesas de coesão pela Comissão e pelos Estados-Membros

Zahara de la Sierra, Espanha
Zahara de la Sierra, Espanha Direitos de autor Unsplash/David Vives
Direitos de autor Unsplash/David Vives
De  Paula Soler
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os fundos de coesão da UE destinam-se a reduzir as disparidades sociais e económicas entre as regiões mais ricas e as mais pobres, mas tanto a Comissão como os Estados-Membros não estão a conseguir controlar adequadamente as suas despesas, de acordo com um novo relatório do Tribunal de Contas Europeu (TCE).

PUBLICIDADE

O sistema de controlo da UE sobre mais de um terço do seu orçamento não conseguiu, nos últimos anos, reduzir significativamente os erros de despesa, afirmam os auditores luxemburgueses num relatório publicado hoje (8 de julho), o que significa que o dinheiro da coesão não está a ser gasto de acordo com as regras nacionais e da UE.

"Verificamos que os sistemas de controlo da Comissão e dos Estados-Membros não são suficientemente robustos", disse Helga Berger, a auditora principal, à Euronews.

No ciclo orçamental 2014-2020, a taxa de erro global nas despesas de coesão caiu de 6% para 4,8% - uma melhoria, mas ainda muito acima do limiar de 2%.

"O sistema deve evitar erros, mas se os erros acontecerem, o sistema deve ajudar a detetá-los e a corrigi-los", afirmou Berger, indicando que há muito espaço para melhorias na política de coesão.

Existem três níveis de controlo dos fundos de coesão da UE. Em primeiro lugar, as despesas da coesão são verificadas pelas autoridades de gestão nacionais, depois pelas autoridades de auditoria dos Estados-Membros e, em terceiro lugar, pela Comissão, que é a responsável final pela execução do orçamento da UE.

Apesar destes níveis de controlo, os auditores externos do TCE detetaram 171 casos adicionais de erros, 170 dos quais poderiam ter sido evitados pelas autoridades de auditoria.

Espanha, Alemanha e Portugal registaram um número desproporcionado de erros em relação aos fundos recebidos.

"Consideramos que estes três Estados-Membros, em particular, necessitam de reforçar a capacidade de deteção das suas autoridades de auditoria, com o apoio da Comissão", afirma o relatório.

Os auditores da UE identificaram três causas principais das irregularidades nas despesas de coesão: gestão inadequada por parte dos Estados-Membros, negligência ou suspeita de incumprimento deliberado por parte dos beneficiários e problemas de interpretação das regras.

"As autoridades de gestão são muito decisivas neste domínio", sublinhou Berger. Se estas autoridades não conseguirem identificar os problemas, os controlos subsequentes dependem da eficácia dos anteriores.

Os auditores estimaram que as autoridades de gestão nacionais poderiam ter evitado mais de um terço dos erros detetados entre 2017 e 2022.

Comissão Europeia tem trabalho a fazer, dizem os auditores

Durante a campanha para um segundo mandato, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, comprometeu-se a simplificar o orçamento da UE, eliminar redundâncias e aumentar a eficiência. Chegou mesmo a insinuar a possibilidade de associar as centenas de milhares de milhões de fundos de coesão às reformas económicas.

No entanto, os auditores da UEadvertiram que a Comissão deve melhorar os seus instrumentos de deteção, prevenção e correção de erros nas despesas de coesão (que atualmente ascendem a 392 mil milhões de euros) para tornar estes fundos mais eficazes.

Por exemplo, os auditores recomendam que se dêem orientações mais claras aos Estados-Membros, se simplifiquem as regras e se efetuem mais controlos de conformidade.

"A Comissão está atualmente a concentrar-se em muitas auditorias documentais", afirmou Berger, salientando que estas são insuficientes para detetar despesas incorretas.

Berger sublinhou a necessidade de mais auditorias de conformidade, uma vez que estas oferecem um maior valor, mas são atualmente limitadas em número.

"Tanto a Comissão como os Estados-Membros devem trabalhar em conjunto com todos os intervenientes neste domínio para melhorar o sistema", concluiu o auditor principal.

O executivo da UE não tem de dar uma resposta oficial ao exame, como faz com os seus relatórios de auditoria, mas os auditores afirmam que, apesar de algumas divergências quanto à solidez do sistema de controlo, a Comissão concorda que a taxa de erro é superior ao limiar de 2%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão deixa aviso a França, Itália e seis outros países sobre o défice orçamental

Von der Leyen debateu com rivais sobre orçamento da UE e comércio com China

Parlamento Europe: a primeira vez para os jovens deputados